Ordem dos Médicos associa-se a cordão humano em defesa do Hospital dos Covões em Coimbra

8 de Junho 2020

A Ordem dos Médicos associou-se hoje ao movimento que promove, na terça-feira, um cordão humano em defesa do Hospital dos Covões, em Coimbra, em protesto contra o alegado encerramento ou "esvaziamento" do serviço de urgência.

“Depois de nos últimos meses o Hospital dos Covões, em Coimbra, ter sido uma referência no combate à pandemia, a dedicação e a qualidade dos médicos e restantes profissionais parece estar já a ser esquecida pela tutela”, lamenta a Ordem, em comunicado divulgado hoje.

A Ordem lembra que o Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) avançou que pretende fechar esta urgência hospitalar, o que provocou diversos protestos, nomeadamente de um grupo independente de cidadãos, que marcou um cordão humano para terça-feira, nos Covões.

“A Administração Regional de Saúde do Centro, em vez de afastar totalmente a ideia, promovendo uma visão integrada de melhoria dos serviços da região, indicou que a urgência não vai fechar, mas transformar-se antes numa urgência básica, que também não serve o melhor interesse dos doentes”, lamenta a entidade que regula a prática médica em Portugal.

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, refere que pandemia veio demonstrar “a importância e necessidade imperiosa” de serviços de saúde públicos de qualidade, reforçando essa perceção entre os cidadãos.

“Infelizmente, parece que essa mesma perceção está, uma vez mais, a passar ao lado tanto do conselho de administração do CHUC como da ARS do Centro”, lamenta o bastonário da Ordem dos Médicos.

Miguel Guimarães avança que “a Ordem dos Médicos não podia deixar de estar solidária e de se associar ao movimento que vai promover na terça-feira um cordão humano em defesa dos Covões”.

O bastonário assegura que “o combate à covid-19 ainda não acabou, mais do que nunca o Serviço Nacional de Saúde vai enfrentar um período de retoma muito difícil, com milhares de doentes a verem os seus problemas de saúde por diagnosticar ou a agravar perante os exames, consultas e cirurgias desmarcados”.

Neste contexto, acrescenta, “é “impensável que o Hospital dos Covões perca diferenciação, vendo a sua urgência transformada numa urgência básica, com menos valências e menos especialidades e com uma resposta que fica muito aquém das necessidades”.

O presidente do CHUC (Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra), Fernando regateiro, realçou, no dia 24 de maio, a importância dos Covões para acolher “funções assistenciais relevantes” e negou o seu alegado esvaziamento.

“Não há qualquer intenção” de deixar de utilizar o Hospital dos Covões para nele “localizar funções assistenciais relevantes, à luz da resposta global que o CHUC tem o dever de organizar para a procura atualmente registada e que preveja para o futuro”, assegurou então Fernando Regateiro, reagindo a um comunicado do PS de Coimbra, que apelava ao Governo a uma tomada de posição pública sobre o futuro dos Covões e a evitar o “desmantelamento silencioso” deste hospital.

No domingo, a ministra da Saúde afirmou não ter conhecimento oficial da intenção do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) vir a encerrar a Urgência do Hospital dos Covões e disse que qualquer decisão tem de ser técnica.

“Não tivemos ainda nenhuma abordagem formal quanto a esse tema, nem pela Administração Regional de Saúde do Centro, nem pelo conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra”, respondeu Marta Temido, na conferência de imprensa diária sobre a situação epidemiológica da covid-19 em Portugal.

Questionada sobre a reestruturação do Serviço de Urgência para o nível básico a partir de julho, e a possibilidade de mais tarde vir a encerrar, Marta Temido disse ter tido conhecimento do assunto “pela leitura das notícias” e prometeu que qualquer decisão tem de ser técnica.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights