Saúde Intestinal: Universidade de Dresden identifica enzima essencial para a sobrevivência de células estaminais

9 de Junho 2020

Os resultados do estudo contribuem para a compreensão da regeneração intestinal e prevenção das inflamações intestinais

O epitélio intestinal é a camada interior das paredes intestinais que separa o tecido do hospedeiro da microbiota intestinal.

Esta camada de células desempenha um papel essencial na absorção de água, eletrólitos e nutrientes enquanto limita a entrada de bactérias, vírus, fungos, toxinas e antigenes no tecido do hospedeiro para assegurar a homeostasia.

As diversas funções levadas a cabo pelo epitélio intestinal são suportadas por múltiplas células do epitélio especializadas que são substituídas entre cada três a cinco dias de uma reserva de células estaminais intestinais. Isto faz com que o epitélio seja um dos tecidos que mais rápido regenera nos mamíferos adultos.

Que caminhos podem tomar as células do epitélio intestinal na sua regeneração?

A diferenciação do epitélio é largamente controlada pela atividade dos fatores de transcrição de tecidos específicos. O acesso ao ADN é providenciado pela cromatina, enquanto a heterocromatina compactada limita o acesso dos fatores de transcrição ao ADN.

Investigadores no Centro para as Terapias Regenerativas da Universidade de Dresden investigaram a importância da regulação da formação de heterocromatina no epitélio intestinal e publicaram as suas conclusões no prestigiado jornal científico internacional Gut.

No seu estudo, a equipa do professor Sebastian Zeißig demonstrou o papel essencial da proteína SETDB1 envolvida na criação de heterocromatina durante a diferenciação das células do epitélio intestinal, e a sua importância para a prevenção de inflamações. Os cientistas observaram através de ratos as consequências da perda de enzimas nas células estaminais intestinais: retrovírus endógenos que representam uma parte relevante do genoma humano, quando acumulados ao longo de poucos dias, levam à danificação de ADN, à morte de células inflamatórias, e à perda de células estaminais presentes no epitélio intestinal bem como das células diferenciadas do epitélio. O fenómeno observado limita a absorção de fluidos e nutrientes, causa inflamações intestinais e leva inevitavelmente à morte após alguns dias.

Intestino saudável (direita) vs. intestino doente (esquerda): Danos extensos de ADN (verde) no epitélio intestinal levam à morte de células inflamatórias e perturbam a homeostase intestinal

“O nosso estudo revela uma importância fundamental do SETDB1 e da formação de heterocromatina na manutenção da estabilidade do genoma epitelial e no controlo da homeostasia intestinal”; explica o professor Sebastian Zeißig líder do grupo de trabalho e médico na Clínica Médica I do Hospital Universitário Carl Gustav Carus Dresden. “Ainda é preciso ver se as mutações neste gene conseguem também contribuir para inflamações intestinais em humanos”.
O estudo foi financiado pela Universidade de Dresden no âmbito da Iniciativa de Excelência Alemã e apoiado pelo Centro DRESDEN-concept Genome e pelas instalações de microscópios da Plataforma CMCM da Universidade de Dresden.

NR/HN/ João Daniel Ruas Marques

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights