Luís Soares Especialista em Inovação em Saúde

Por uma estratégia de investimento ao serviço da inovação, da economia e da saúde dos portugueses

06/10/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Por uma estratégia de investimento ao serviço da inovação, da economia e da saúde dos portugueses

10/06/2020 | Opinião | 0 comments

É uma constatação consensual – exacerbada em tempos de pandemias e crises como o que atualmente vivemos, mas na verdade intemporal e perene – que a Saúde, como poucos outros setores, é uma fonte geradora de múltiplos impactos positivos na sociedade e na economia, movida por dinâmicas de investigação e de inovação que, felizmente, têm vindo a crescer a ritmos acelerados, nas última décadas, a nível global.

Em Portugal, as áreas das Ciências Médicas e da Saúde e das Ciências da Vida representam a maior quota da produção científica do país e, inclusivamente, são vários os seus domínios cujo impacto de citação suplanta as médias europeia e mundial.

Não independente destes resultados é o facto de existir no nosso país, nas áreas em questão, uma invejável pool de pessoas altamente qualificadas, que é sustentadamente alimentada, em número e em qualidade, por um sistema de ensino e de formação também ele com provas dadas.

O manancial de conhecimento gerado pelo tecido académico e científico da Saúde em Portugal é, pois, volumoso e valioso. Mas também é, lamentavelmente, subaproveitado, com apenas uma muito pequena fração a conseguir chegar, sob a forma de produtos, processos ou serviços, ao tecido económico, aos mercados e à sociedade.

A transferência de conhecimento e de tecnologia nos domínios da Saúde representa, como todos sabemos, um desafio (particularmente) considerável. Entre muitos aspetos, importa realçar que um ecossistema funcional e integrado, que permita e facilite a condução desses processos de uma forma ágil, célere e com o mínimo de atritos, só se constrói mediante um envolvimento comprometido de múltiplas partes, designadamente, as universidades e centros de investigação, as empresas, os prestadores de cuidados, os utilizadores e os agentes do Estado e Administração Pública. Algo fácil de enunciar, mas difícil de concretizar de uma forma plena.

Em Portugal, foram-se sucedendo, ao longo dos anos, os programas e os instrumentos visando, precisamente, incentivar/apoiar esse tipo de envolvimento, sob a forma de iniciativas ou projetos de tipologia e escala variável e até eventualmente complementares entre si – por exemplo, Clusters de
Competitividade, Laboratórios Colaborativos ou Programas Mobilizadores. Até “geringonças” se lhes poderia chamar, digo eu, pois o que importa, para o efeito em questão, é que

(i) estas iniciativas tragam à prática, sob os princípios da colaboração e da inovação aberta, a missão e o objetivo de transformar o conhecimento científico em valor social e económico, e
(ii) que, nesse esforço comum, se assegure um grau de intra- e interarticulação apropriado, garantindo que se minimizam redundâncias indesejáveis e se potenciam sinergias positivas.

Neste contexto, procurando antever uma possível agenda estratégica nacional, holística e integradora, passível de potenciar a transferência de conhecimento e de tecnologia e, consequentemente, a inovação em Saúde no nosso país, parece-me que poderiam ser destacados,
numa perspetiva não-exaustiva, um conjunto de eixos centrais, designadamente:
(1) Promover uma reindustrialização inteligente do país, por via de estímulos ao investimento, estrangeiro e nacional, em capacidade produtiva em áreas de diferenciação competitiva selecionadas (nos domínios da farmacêutica, da biotecnologia e das tecnologias médicas),
discriminando positivamente os projetos que se caracterizem pelo elevado grau de inovação, de incorporação tecnológica de origem (também) nacional e pelo maior valor acrescentado. Neste sentido, as estratégias nacional e regionais de especialização inteligente deverão vir a refletir fielmente (também) o pulsar do tecido empresarial, proporcionando o devido enquadramento às suas
prioridades de investimento em investigação e inovação.

(2) Robustecer a oferta do país ao nível dos serviços de I&D e dos ensaios clínicos, por via de estímulos à capacitação das organizações – comerciais e “não-comerciais” – e suas redes, não só ao nível de infraestruturas e equipamentos, mas também (e sobretudo) ao nível da inovação organizacional e de gestão – incluindo novos modelos de negócio com base na transição digital e na integração em redes (nacionais e internacionais) –, da qualidade e do marketing. 

(3) Reforçar o capital humano das empresas e demais organizações do sistema nacional de investigação e inovação, por via do estímulo à contratação de recursos humanos (altamente) qualificados, através de programas e instrumentos ágeis e flexíveis, desenvolvidos e implementados em estreita colaboração com as entidades “recetoras”, de forma a que vão efetivamente ao encontro das suas necessidades e expectativas.

(4) Desenvolver programas e potenciar o uso generalizado, no nosso país, de instrumentos de procurement – designadamente, pre-commercial procurement e public procurement of innovative solutions – como meios para ligar de uma forma efetiva a oferta e a procura de tecnologias e soluções novas e inovadoras (e sua consequente disseminação nos diferentes contextos de utilização).

(5) Desenhar e executar uma estratégia de branding e um plano de promoção ambiciosos, aplicáveis no curto, médio e longo prazo, quer a nível interno, quer (sobretudo) internacional, capaz de veicular eficazmente, perante os diferentes públicos/clientes/investidores-alvo, a real diversidade, qualidade e competitividade da oferta científica e tecnológica de Portugal no domínio da Saúde. A merecer especial atenção, quer pelos resultados que potencialmente podem produzir, quer também pela recetividade que o formato habitualmente desperta em todas as partes interessadas, está a concretização de uma agenda ambiciosa de missões inversas. Estas deverão ser criteriosamente selecionadas, trabalhadas e executadas de acordo com necessidades e oportunidades perfeitamente identificadas, com demonstrável interesse para os agentes do setor em Portugal, naturalmente, mas também sendo passíveis de gerar interesse junto dos stakeholders internacionais relevantes. Um racional análogo poder-se-ia aplicar mesmo a nível interno, reunindo-se, por exemplo, delegações
de elementos-chave de empresas portuguesas em visitas criteriosamente preparadas a centros de investigação/interface nacionais.

(6) Promover a execução de uma carteira de projetos-bandeira criteriosamente selecionados que, mobilizando consórcios completos de atores da(s) cadeia(s) de valor da Saúde e conexas, procurem respostas e soluções inovadoras para desafios e necessidades (societais, sanitárias ou operacionais) efetivas. A título de exemplo, um dos tópicos com um potencial particularmente interessante – e pelo qual, aliás, há muito tenho vindo a advogar – poderia ser o dos ensaios clínicos virtuais, não só por cumprir com as premissas pretendidas, mas também porque reunirá certamente o interesse de uma grande diversidade de agentes da cadeia de valor e do setor, nos seus diversos
quadrantes – interesse esse que terá sido, certamente, redobrado face às dificuldades que o atual momento de pandemia tem vindo a gerar, um pouco por todo o mundo, na condução de ensaios clínicos.

Em suma, o setor da Saúde em Portugal reúne um enorme potencial para, cada vez mais, através da investigação e da inovação, impactar positivamente a economia do país e a saúde dos portugueses. Para isso, será necessário que sobre ele haja uma visão estratégica mais holística, acompanhada por um incontornavelmente necessário investimento, adequado no volume e sustentado no tempo. E importa, claro está, “ligar os pontos”, do conhecimento ao mercado, pois, afinal, nem o con Save & Exit hecimento se transfere sozinho, nem a inovação se cria sozinha.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

A FEPODABES lança a campanha É HORA DE AJUDAR

O Presidente da FEPODABES, Alberto Mota, deixa o apelo: “todos os cidadãos com mais de 18 anos, que tenham mais de 50kg e que sejam saudáveis podem dar sangue. Esse gesto simples contribui para salvar muitas vidas”.

Cancer Summit da MSD regressa com o mote “Salvar e Melhorar Vidas”

No dia 24 de fevereiro, no Altice Arena, realiza-se a 3.ª edição do Cancer Summit, um evento na área da Oncologia da MSD Portugal. A iniciativa tem como mote “Salvar e Melhorar Vidas” e pretende promover a qualidade dos cuidados prestados aos doentes oncológicos a nível nacional.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights