Luis Baquero Cirurgião Cardiotorácico Coordenador do Heart Center do HCVP

Cirurgia Cardíaca minimamente invasiva: inovação ao serviço dos doentes

06/25/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Cirurgia Cardíaca minimamente invasiva: inovação ao serviço dos doentes

Cerca de 95 por cento das cirurgias ao coração no Heart Center já são feitas por técnicas minimamente invasivas.  Ainda que nem todas as doenças cardiovasculares possam ser tratadas de forma minimamente invasiva e, como tal, de forma menos agressiva para o doente, são várias as patologias que já permitem este tipo de abordagem, como doenças valvulares, doenças coronárias, tumores cardíacos, doenças da aorta e algumas doenças cardíacas congénitas.

tualmente, a doença coronária pode ser tratada quer por método percutâneos, ou seja, por cateter, quer por cirurgia mini-invasiva com incisões de 5-6 cm na região sub-mamária esquerda ou na região axilar, evitando assim a abertura do esterno.  Também é rotina no Heart Center combinar estas duas técnicas de forma multidisciplinar – denominada técnica “Híbrida” – juntando os benefícios do tratamento percutâneo e da   cirurgia mini-invasiva, conseguindo-se assim um restabelecimento do fluxo coronário completo com mínima agressão cirúrgica e com excelentes resultados.

Toda a cirurgia valvular, desde a reparação à substituição de uma ou mais válvulas cardíacas é realizada através de uma incisão de 5cm localizada debaixo do braço – a chamada abordagem axilar. Assim, a cicatriz pós-operatória é quase invisível só sendo passível de ser observada quando o doente levanta o braço. 

Esta incisão permite igualmente corrigir defeitos de nascença do coração, denominados defeitos congénitos cardíacos.

A inovação da técnica cirúrgica é também acompanhada pelo desenvolvimento de técnicas anestésicas “minimamente” invasivas, isto é, a combinação da anestesia geral com a anestesia locoregional. Através da ecografia são bloqueadas as terminações sensitivas do tórax responsáveis pela dor pós-operatória, como ganhos apontam-se a redução do tempo de internamento e complicações pós-operatórias, com retorno precoce às atividades de vida diária. Desta forma é otimizado todo o período perioperatório, assim como a experiência e o grau de satisfação do doente.

Não menos importante é o fator psicológico: ter uma cicatriz longitudinal, ao longo de todo o tórax é um peso emocional grande que deixa repercussões. Ao reduzir-se a dimensão da cicatriz, diminui-se também o impacto e a dimensão psicológica da doença.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights