Campanha alerta para a necessidade de reunir esforços no combate às hepatites

27 de Julho 2020

“Todos contam” é o tema de uma campanha lançada pela Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia que visa reforçar a mensagem de que é preciso reunir esforços no combate às hepatites, que todos os anos matam 1,5 milhões de pessoas mundialmente.

A ‘#TodosContam’ é uma iniciativa patrocinada pela Organização Mundial de Saúde e por várias entidades internacionais que assinala o Dia Mundial das Hepatites, que se assinala na terça-feira, disse à agência Lusa o presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG), Rui Tato Marinho.

“É o reconhecimento de que as hepatites víricas, principalmente a B e C, são um importante problema de saúde pública a nível mundial, e também em Portugal, com um milhão e meio de mortes todos os anos, mais do que a Covid-19 matou até agora”, observou.

Há um milhão de portugueses que têm as análises do fígado alteradas, mas existe “muita capacidade” de intervenção nas doenças principais deste órgão, “com vacinas e tratamentos muito eficazes”, disse o especialista, defendendo a inclusão da análise ao fígado nos exames de rotina.

“Uma das mensagens importantes é que as pessoas se lembrem que é um órgão que não podemos viver sem ele, não há fígado artificial, e até para os transplantes, que chega a pouca gente, nós estamos com menos dadores, porque há menos acidentes”, elucidou.

Para Rui Tato Marinho, é “perfeitamente atingível” eliminar o vírus da hepatite C como problema de saúde pública até 2030, cumprindo a meta estabelecida pela OMS, através do tratamento disponível desde 2015 para a hepatite C, com taxas de cura de 97%, da união de esforços para não deixar ninguém sem cuidados e da afetação dos recursos adequados.

Isso exige “uma estratégia muito mais ativa, de ir muito mais ao terreno, testar mais” para identificar as 40 mil pessoas que se estima estarem infetadas e que é preciso diagnosticar, disse, apelando à população para, “pelo menos uma vez na vida”, fazer as análises à hepatite B e C e ao VIH.

Para combater o “impacto físico, mental, social e económico” da doença em Portugal, deve ser concertada “uma estratégia de compromisso” entre todos os intervenientes: profissionais de saúde e as suas instituições, doentes, familiares e entidades decisoras.

“Temos de evitar que as coisas se compliquem” e para tal é necessário trabalhar em conjunto e agilizar processos para que os medicamentos cheguem o mais rápido possível a quem precisa.

A campanha conta com a colaboração da SOS Hepatites, do Grupo de Ativistas em Tratamento (GAT) e da Associação Ares do Pinhal.

Em comunicado, o diretor-executivo do GAT, Ricardo Fernades, alerta para o “grande impacto” das hepatites na saúde das pessoas, mas lembra que “tudo isto pode ser prevenido” através da vacinação, do tratamento e do diagnóstico precoce.

Esta posição é partilhada pela presidente da SOS hepatites, Emília Rodrigues, sublinhando que uma das “grandes batalhas” da associação é “o rastreio”.

“Embora ainda haja discriminação e ostracismo para com os portadores”, a hepatite é uma doença assintomática que pode atingir qualquer pessoa, disse, exemplificando com quedas dadas no passado em que a pessoa teve de levar ‘um pontinho’, um parto antes de 1992 ou um destacamento na guerra do ultramar.

Elsa Belo, diretora-técnica da Ares do Pinhal, associação que apoia pessoas em situação de exclusão social, acrescentou que muitas destas pessoas “desconhecem a sua situação real de saúde e de uma forma geral aceitam fazer o rastreio”, até porque têm consciência que levam uma vida de risco e que estão excluídos da sociedade e dos circuitos de tratamento convencionais.

“Dependemos da boa vontade e disponibilidade pessoal dos médicos e equipas para marcação de consultas e follow-up das situações”, o que pode significar “a não continuidade do acompanhamento e de cuidados necessários futuros em contexto hospitalar”, lamentou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights