António de Sousa Uva Médico do Trabalho, Imunoalergologista e Professor Catedrático da ENSP (UNL)

COVID-19: o que é “invisível” é muito mais do que é “visível”

08/04/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

COVID-19: o que é “invisível” é muito mais do que é “visível”

04/08/2020 | Opinião | 0 comments

Há muito tempo que nos encontramos em modo “globalização” da COVID-19 e vamos conseguindo, pelo menos na Europa, “conviver” com o SARS-Cov-2 evitando, como podemos, a dimensão do impacto na nossa forma de viver e mantendo o melhor nível possível de qualidade de vida. Esta sim é uma verdadeira “quadratura do círculo”.

De facto, o número de novos casos vai sendo controlado e, se dúvidas houvesse, a percentagem da população, avaliada serologicamente, mantém-se muito baixa sendo uma verdadeira “prova do algodão” dos principais meios de transmissão da doença. Tal não invalida que a conjugação do número de casos de COVID-19 e que o doseamento de anticorpos específicos não multiplique por seis, sete ou oito a prevalência “oficial”. Não se andava muito longe da realidade quando se multiplicava por dez o número de casos “oficiais”.

O número de novos casos diário tem um perfil em “dentes de serra”, aparentemente numa tendência decrescente ainda que os óbitos, a ocupação dos Cuidados Intensivos e o número de outros internados se mantenha, aparentemente, estável no seu declínio há já alguns meses.

As leituras que se vão fazendo da “galopante” criação de conhecimento sobre a história natural da COVID-19 (ainda que com muitos “escotomas”) são, quase sempre, norteadas pelo “oásis” da imunidade de grupo (ainda tão longe de alcançar e sempre “sebastianista” em relação à imunização específica …) e vamos “esquecendo” outras interpretações da realidade. Por exemplo, e de forma caricatural, a nossa estrutura de luta contra o SARS CoV-2 está supostamente dirigida a cerca de 15% dos casos “reais” já que os outros 5/6 ou 7/8 (ou mais) de casos não são casos “oficiais”. Tal tem por certo mais a ver com o vírus (mas infelizmente os vírus são todos eles, oficiais ou não) que com o sistema de “enfrentamento” instalado.

Mas sabendo-se isso pelos já frequentes estudos serológicos, também em Portugal, não deveríamos investir mais ainda na prevenção dessa transmissão “invisível” que só adquire visibilidade quando aparece um sintomático ou um assintomático testado positivo que “desencadeia” o referido sistema de “enfrentamento” instalado? E de que forma, neste instável equilíbrio entre a Economia, a Sociologia e a Saúde Pública?

As “politics” quase tomam conta das “policies”, como já antes foi por nós referido, e o plano de contingência nacional mantém-se o mesmo, seis meses depois. Mas, de facto, as regras de actuação em relação aos assintomáticos deverão (ou não) ser “tendencialmente” semelhantes às adoptadas para os casos sintomáticos?

Os “combatentes” essencialmente nos hospitais (mais visíveis) ou na estrutura de Saúde Pública (menos visíveis), com o actual conhecimento, não necessitarão de melhores políticas públicas de saúde que deveriam (ou não) estar mais alinhadas com esses conhecimentos que se vão adquirindo?

Como já antes referimos a gestão do risco numa emergência em Saúde Pública tem, definitivamente, de assentar na “teoria do risco” e não na “teoria da culpa” por uma razão simples: o que se pretende é, no mínimo, uma menor proporção de casos (já que a erradicação, por agora, não parece possível) e a existência de “culpados” não altera a distribuição da doença porque essa não é uma característica válida. Não deveria esse enquadramento, e o actual conhecimento obtido nos estudos serológicos, determinar políticas públicas de saúde mais alinhadas com esse conhecimento adquirido que deixou de ser “opinião”?

Não há ninguém mais interessado na sua saúde do que os próprios e, como aconteceu com o uso da máscara, todos nós temos que nos tornar “agentes” dessas “novas” políticas públicas. Sem pessoas não há (ou reduz-se imenso a) “circulação” do vírus e o distanciamento físico é, de facto, o “Gold standard” da prevenção da doença e é nas pessoas que temos que investir ainda mais.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights