Fatores determinantes de empregabilidade em pessoas que vivem com VIH/SIDA

1 de Dezembro 2020

As pessoas que vivem com VIH/SIDA podem ser alvo de discriminação pelas políticas de contratação dos empregadores. Um estudo publicado no American Journal of Industrial Medicine chegou à conclusão de que os fatores médicos e socioeconómicos podem prejudicar a empregabilidade destes doentes.

O estudo incluiu 170 pessoas a viver com VIH/SIDA na Turquia. Os portadores mais novos de VIH têm uma probabilidade mais alta de participar na força de trabalho, tal como aqueles que tinham maiores posses financeiras e que geravam maiores rendimentos. Também os indivíduos que estavam empregados na altura do diagnóstico têm maior probabilidade de encontrar emprego no futuro. O uso de drogas ilícitas, anterior ao diagnóstico, e o baixo número de células CD4 T estão também negativamente associadas à empregabilidade.

“Podemos facilmente controlar o vírus do VIH com medicação antirretroviral, mas é quase impossível controlar os fatores socioeconómicos como o estigma e o preconceito, que são alimentados pela ignorância e pela falta de campanhas de consciencialização”, diz o autor correspondente Durmuş Özdemir, professor doutorado na Universidade de Yasar.

“Há um papel sério que tem que ser tomado pelos governos e pelas organizações não-governamentais que consiste em explicar o impacto positivo do tratamento antirretroviral e a necessidade de uma vida normal para as pessoas que vivem com VIH”, concluiu.

NR/João Marques

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights