Global Risk Report coloca pandemias no topo dos riscos identificados

22 de Janeiro 2021

O Global Risk Report, um trabalho elaborado em parceria com a Marsh & McLennan Companies e o Zurich Insurance Group, destaca futuras pandemias como o principal fator de risco para a economia e sociedade.

O relatório, elaborado anualmente, alerta para as possíveis repercussões de uma pandemia há mais de 15 anos e defende que, caso os países se tivessem preparado, o impacto da presente pandemia de Covid-19 teria sido bem menor.

De acordo com Saadia Zahidi, Managing Director do World Economic Forum, “Em 2020, o risco de uma pandemia global tornou-se uma realidade, algo que este relatório tem vindo a destacar desde 2006. Sabemos o quão difícil é para governos, empresas e outros stakeholders abordar estes riscos a longo-prazo, mas a lição para todos nós passa por reconhecer que ignorar estes riscos não faz com que a probabilidade de acontecerem seja menor. À medida que governos, empresas e sociedades começam a emergir da pandemia têm de agora, e de forma célere, moldar a nova economia e os sistemas sociais para que melhorem a nossa resiliência coletiva e a capacidade de responder a choques, enquanto reduzem a desigualdade, melhorando a saúde e protegendo o planeta. Para ajudar a responder a este desafio, o evento que se realiza na próxima semana, The Davos Agenda, irá mobilizar líderes globais para definir os princípios, políticas e parcerias necessárias neste novo contexto”.

O relatório reflete, ainda, sobre as respostas a dar ao COVID-19, identificando lições para aumentar a resiliência global. Estas lições incluem a elaboração de abordagens analíticas, incentivando os melhores gestores de risco a construir confiança através de uma comunicação clara e consistente e a criar novas formas de parceria. Os riscos-chave destacados neste relatório são complementados com recomendações para apoiar países, empresas e a comunidade internacional a agir perante os riscos transversais, ao invés de reagir. O relatório termina com uma visão geral dos “riscos fronteiriços” – com nove eventos de elevado impacto e baixa probabilidade elaborados por especialistas em exercícios de previsão – que incluem a reversão geomagnética, guerras acidentais e exploração de interfaces cérebro-máquina.

“A aceleração da transformação digital promete trazer grandes benefícios, como por exemplo, a criação de cerca de 100 milhões de novos postos de trabalho em 2025. Ao mesmo tempo, a digitalização pode deslocar cerca de 85 milhões de postos de trabalho e, uma vez que 60% dos adultos ainda carece de competências digitais, o risco está no agravamento das desigualdades existentes,” refere Peter Giger, Group Chief Risk Officer do Zurich Insurance Group. “O maior risco a longo-prazo continua a ser a incapacidade de agir sobre as alterações climáticas. Não havendo vacina contra os riscos climáticos, os planos para a recuperação pós-pandémica devem focar-se no alinhamento entre crescimento e as agendas de sustentabilidade para reconstruir um mundo melhor”.

O relatório classifica vários tipos de risco que enquadra a curto prazo (0 a 2 anos), médio prazo (3 a 5 anos), e longo prazo (5 a 10 anos). Na primeira categoria destacam-se as doenças infeciosas como a crise de Covid-19, seguem-se as crises de subsistência, o clima extremo, medidas de cibersegurança e a desigualdade digital.

A  médio prazo o relatório salienta uma possível explosão da bolha de ativos, o colapso das Infraestruturas de tecnologias da informação, a instabilidade de preços, o choque nos preços dos produtos (commodities) e possíveis futuras crises da dívida.

A longo prazo as preocupações focam-se na utilização de armas de destruição em massa, o colapso de Estados, a perda da biodiversidade, avanços tecnológicos adversos e crises de recursos naturais.

JM/PR

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights