Entrevista ao Professor Salgado Borges sobre a saúde ocular durante a pandemia: “Nesta época de pandemia é fundamental ter mais atenção à miopia e presbiopia”

01/25/2021
Segundo o “Ver-se Bem”, um estudo oftalmológico promovido pela Direcção de Saúde Visual da Essilor Portugal, quase 30% da população notou uma pioria da sua saúde visual desde o início […]

Segundo o “Ver-se Bem”, um estudo oftalmológico promovido pela Direcção de Saúde Visual da Essilor Portugal, quase 30% da população notou uma pioria da sua saúde visual desde o início da pandemia. Metade dos inquiridos admitiram passar mais de 8 horas por dia em frente a ecrãs devido à estadia prolongada em casa e ao teletrabalho, um fator conhecido por provocar problemas como a miopia. Para o Prof. Salgado Borges, professor convidado da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, diretor Clínico da Clinsborges, clínica especializada em Oftalmologia, coordenador do Serviço de Oftalmologia na Lenitudes – Medical Center & Research – e embaixador em Portugal da Tear Film & Ocular Surface Society (TFOS), a pandemia acarreta vários riscos à saúde ocular, sobretudo pela exposição prolongada a ecrãs que podem causar miopia e presbiopia. Nesta entrevista, o Prof. comenta alguns dos resultados do estudo e o impacto da pandemia na saúde ocular da população portuguesa.

HN – Metade dos inquiridos no estudo relata pioras na capacidade visual desde que a pandemia se instaurou. Quais são os principais fatores potenciados pela situação pandémica que prejudicam a nossa saúde ocular?

Prof. Salgado Borges – O número de inquiridos que referem que a sua capacidade visual terá piorado desde o início do período de confinamento deveu-se muito provavelmente por estarem sujeitos ao stress e fadiga visual causados pelo incremento do teletrabalho e utilização crescente e até intensiva de dispositivos digitais.

Mas não só o aumento do tempo de utilização dos dispositivos digitais teve influência neste relato, como a utilização da máscara também agravou a inflamação ocular presente em múltiplas patologias do foro oftalmológico.

Mais de 50 % dos inquiridos referiram dificuldade de sair à rua devido à claridade e 76% das pessoas que usam óculos referiram o incómodo gerado com o embaciamento das lentes associado ao uso de máscara.

Nesta época de pandemia é fundamental ter mais atenção aos erros refrativos, tais como a miopia e a presbiopia, que se manifestaram mais intensamente neste período, tornando-se fundamental alertar para a importância da realização de um exame oftalmológico regular que identifique precocemente possíveis doenças oculares, de modo a evitar que estas evoluam para estados irreversíveis.

Por fim, não nos podemos esquecer que a conjuntivite pode ser uma das primeiras manifestações do vírus, podendo revelar infeções respiratórias das vias aéreas superiores.

HN – O estudo cobre de forma extensa a situação do uso excessivo de ecrãs. Como/porque é que o uso de ecrãs prejudica a visão e que condições causa?

SB – Com o recurso praticamente generalizado do teletrabalho, metade dos inquiridos neste estudo declarou utilizar equipamentos digitais, como o smartphone, o computador e a televisão, mais de 5 horas por dia. De sublinhar ainda que um terço dos participantes diz ter estado frente a ecrãs mais de 8 horas por dia.

Muitas vezes, uma má postura com iluminação deficiente, a par do stress e fadiga visual causada pela exposição prolongada à radiação nociva emanada pelos ecrãs, contribuem frequentemente para um esforço acrescido de todo o sistema visual e potencial progressão de miopia nos mais jovens. O uso prolongado dos aparelhos digitais, promove ainda a diminuição do pestanejo agravando as queixas de dor e desconforto ocular em consequência do Olho Seco, um problema real de saúde pública, mais frequente no sexo feminino e que tende a aumentar com a idade.

Por fim, a correta desinfeção dos ecrãs é de igual forma importante para garantir a segurança de todos, uma vez que existe uma tendência para a partilha de objetos ou mesmo permitir que outros indivíduos utilizem os mesmos aparelhos digitais.

HN – O inquérito cobre também o uso de máscara. Afinal, a máscara pode ou não ser nociva à saúde ocular para além do incómodo que causa a quem utiliza óculos?

SB – A irritação ocular associada ao uso da máscara é muito frequente e mais exuberante em pessoas com antecedentes de inflamação ocular e/ou de olho seco. O aumento do fluxo de ar através da máscara em direção aos olhos durante a respiração tem-se revelado também um fator etiológico complementar muito importante.

Este aumento de fluxo de ar acelera a evaporação contínua do filme lacrimal ao longo de horas ou mesmo dias, traduzindo-se, inevitavelmente, num aumento excessivo da irritação e inflamação da superfície ocular. Os sintomas, ou sinais mais comuns são a presença de olho vermelho persistente, comichão, ardência, sensação de picada ou de corpo estranho e eventualmente lacrimejo. Comum ao tratamento de todas as situações de irritação ocular é a administração de lágrimas artificiais, nomeadamente sem conservantes.

Por outro lado, devido a esse fluxo de ar, o embaçamento das lentes dos óculos revela-se constantemente um problema acrescido ao uso da máscara. Existem hoje lentes com características próprias e processos de limpeza simples e eficazes capazes de diminuírem a dificuldade do uso de óculos nestas condições.

Contudo, numa altura em que o risco de infeção impera, torna-se fundamental, por um lado não descurar o uso da máscara e, por outro, combater e evitar o risco de irritação ocular uma vez que nos leva ao ato continuado e desaconselhado de tocar na face o que pode levar à inevitável propagação deste vírus.

HN – Resumidamente, o que é a presbiopia, que já mencionou mais do que uma vez, e como é que a condição é potenciada pela pandemia?

SB – Conhecida como “vista cansada”, a presbiopia é uma evolução “natural da visão” que se manifesta normalmente após os 40-45 anos de idade, criando uma dificuldade para ver ao perto. Esta anomalia tem tendência para se agravar ao longo dos anos, mas geralmente estabiliza a partir dos 60 anos.

Este estudo revelou que quase metade (47%) dos inquiridos desconhece o que é a presbiopia. No entanto, as descrições dos sintomas demonstram que metade (50%) dos que têm mais 40 anos já revela dificuldade em ler as letras mais pequenas, 35% sente dificuldade em focar ao perto e 27% afirma a necessidade de recorrer a óculos de ver ao perto para conseguir ler.

O uso de óculos é a forma mais comum da correção da presbiopia. Atualmente, é já possível a correção da presbiopia também com o uso lentes de contacto progressivas ou através do recurso a lentes intraoculares multifocais ou de foco estendido que permitem uma boa visão simultaneamente ao longe e ao perto.

A necessidade de uma boa visão ao perto, como recurso fundamental ao teletrabalho da maioria da população e o uso constante e inevitável dos aparelhos digitais, foram os fatores cruciais para a presbiopia ser potenciada e se manifestar mais intensamente nesta altura de pandemia.

HN – A população infantil é uma das menos representadas no estudo. Qual estima que seja o impacto da pandemia na saúde ocular dos mais jovens e que tipo de condições podemos esperar ver surgir com maior frequência no oftalmologista, se é que algumas?

SB – A miopia é um erro refrativo em que existe uma dificuldade ou impossibilidade de ter uma boa acuidade visual na visão de longe. O olho é demasiado longo ou a córnea é muito curva e a imagem forma-se à frente da retina. A sua incidência é elevada, crescente e neste momento existe em mais de 20% da população.

Na maior parte dos casos surge na infância e vai aumentando com a idade e o crescimento, geralmente estabilizando pelos 20-25 anos de idade.

Na sua causa são apontados fatores genéticos, mas também fatores ambientais, dando-se atualmente importância ao uso excessivo dos aparelhos digitais que poderão contribuir para o seu crescimento de forma exponencial nas próximas 2 décadas.

Este estudo revela que ter uma boa visão é a principal preocupação dos pais portugueses (79,5%), à frente de uma alimentação saudável (77,2%) e da boa higiene oral (78,2%).

No entanto, apesar desta preocupação, 90% dos pais declara saber que os ecrãs são um fator de risco para o desenvolvimento da miopia nas crianças, mas apenas pouco mais de metade dos encarregados de educação (55%), admite a possibilidade de limitar o uso destes dispositivos.

Entrevista de João Marques

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights