Presidente reeleito traça 2024 como meta temporal para a reconstrução do país

25 de Janeiro 2021

O Presidente da República reeleito, Marcelo Rebelo de Sousa, traçou no domingo o 50.º aniversário do 25 de Abril, em 2024, como meta temporal para a reconstrução do país, apontando como prioridade urgente o combate à Covid-19.

No seu discurso de vitória, no átrio da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que os portugueses “querem, ao fim e ao cabo, sair deste quase ano de vida congelada, adiada, dilacerada, para um horizonte de esperança, de projeto e de sonho”.

“Dentro de três anos estaremos no meio século do 25 de Abril, e é inconcebível que se não possa dizer então que somos, não só muito mais livres, mas também muito mais desenvolvidos, muito mais iguais, muito mais justos, muito mais solidários do que éramos no início da caminhada, e tanto como nos prometemos nesse início”, defendeu.

Perante a comunicação social, numa noite eleitoral sem convidados nem apoiantes, acrescentou: “E temos de partir quanto antes para poder atingir a meta a tempo de não deixar esmorecer a esperança. Até porque a maior homenagem que podemos prestar aos mortos que lembrei no começo destas palavras é cuidar dos vivos e com eles recriar Portugal”.

Nesta intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa “o mais urgente do urgente chama-se agora combate à pandemia”, mas elencou um conjunto de objetivos a prazo para o país: “Uma recuperação do emprego, rendimentos, crescimento, investimento, exportações e mercado interno, uma perspetiva de futuro efetivo para micro, pequenas e médias empresas”.

“Uma presidência portuguesa da União Europeia fortalecendo o papel de Portugal na Europa e no mundo, a começar no universo da lusofonia. Fundos europeus bem geridos em transparência e eficácia, uma reconstrução que vá para além da mera recuperação, na qualificação, no clima e ambiente, na energia, no digital, mas também na demais economia, na justiça, na luta contra a corrupção, na reforma do Estado, na defesa e na segurança”, acrescentou.

De imediato, frisou que há que “fazer tudo” para “travar e depois inverter” a propagação da Covid-19 em Portugal, que está “a pressionar em termos dramáticos” as estruturas de saúde.

“É essa, e é bom que fique claro isso nesta noite, continua a ser essa a minha primeira missão, para estas semanas e para os próximos meses, em solidariedade institucional total com a Assembleia da República e o Governo e tentando envolver o maior número de partidos e parceiros económicos e sociais numa desejável conjugação coletiva”, prometeu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights