Centro europeu de doenças prepara orientações sobre máscaras comunitárias

27 de Janeiro 2021

O Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) está a preparar orientações sobre a utilização de máscaras faciais comunitárias contra a Covid-19, após alguns países europeus terem obrigado ao uso de máscaras cirúrgicas ou FFP2.

“Está prevista uma atualização das orientações do ECDC sobre máscaras faciais comunitárias, em data a ser confirmada”, diz esta agência europeia em resposta escrita hoje enviada à Lusa.

Ainda assim, o ECDC vinca que a sua posição sobre as máscaras faciais ainda “não mudou” e que “continuam a ser válidas” as recomendações feitas no início da pandemia de Covid-19, que admitem máscaras comunitárias feitas com “múltiplas camadas” de tecido.

A posição surge depois de, devido às novas variantes do SARS-CoV-2, a Alemanha e a França terem tornado obrigatória a utilização de máscaras cirúrgicas ou FFP2 em locais como transportes públicos e lojas, proibindo as máscaras comunitárias (fabricadas de forma artesanal). Espanha, por seu lado, vai debater a situação e o Reino Unido resiste a tal imposição.

Na resposta à Lusa, o ECDC remete a sua posição para a informação publicada no seu ‘site’, que refere que uma máscara comunitária “deve ser construída com múltiplas camadas – duas a três – de material” e respeitar a “norma europeia para a criação de máscaras não médicas”.

Ainda assim, a agência europeia de apoio aos Estados-membros em questões de saúde pública destaca a “eficácia ligeiramente superior das máscaras médicas do que das máscaras não médicas”.

Nessas recomendações, o ECDC aponta que “a utilização de máscaras faciais médicas – geralmente de cor azul-claro e disponíveis nas farmácias – pode reduzir o risco de infetar outras pessoas”, ainda que admita também outros tipos.

“Considere a utilização de uma máscara facial quando visitar espaços ocupados e fechados onde não seja possível manter distância física suficiente de outras pessoas, tais como mercearias e centros comerciais ou quando utilizar transportes públicos”, aconselha ainda o ECDC.

Já na resposta hoje enviada à Lusa, o centro europeu avisa que “a utilização de máscaras faciais não deve substituir outras medidas recomendadas para evitar a transmissão da Covid-19, tais como distanciamento físico, etiqueta respiratória, higiene meticulosa das mãos e evitar tocar no rosto, nariz, olhos e boca”.

“A chave para a utilização eficaz das máscaras faciais é a sua utilização correta e consistente”, salienta.

Relativamente às novas variantes do novo coronavírus detetadas no Reino Unido, África do Sul e Brasil, que se revelam mais contagiosas, o ECDC sublinha a “importância das intervenções não-farmacêuticas”, isto é, da adoção de restrições, como recomendado num relatório divulgado na semana passada.

“Uma maior transmissibilidade implica que a eficácia de várias intervenções não-farmacêuticas individuais – por exemplo, distanciamento físico ou utilização de máscaras faciais – pode ser reduzida e que será necessária uma camada mais intensiva de intervenções não-farmacêuticas para alcançar resultados semelhantes”, como a introdução de confinamentos ou o encerramento de determinados locais públicos, conclui o ECDC na resposta dada à Lusa.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.140.687 mortos resultantes de mais de 99,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights