Joana Carvalho: “A decisão das autoridades é uma resposta ao mediatismo que está a ser gerado à volta da vacina”

04/09/2021
Sente medo de sofrer um evento de trombose após ser imunizado com a vacina da AstraZeneca, mas não teme os efeitos secundários dos medicamentos de uso diário como paracetamol, ibuprofeno, pilula ou até do Viagra? Em entrevista à HealthNews a cirurgiã vascular, Joana Carvalho explica que "todos os fármacos têm efeitos secundários", iguais ou mais graves aos da vacina. Afinal, o pânico e alarmismo criado à volta da vacina justificam-se? Para a especialista a decisão, da DGS e do Infarmed, de limitar a toma da vacina só pode ser explicada como uma resposta à opinião pública. "Não está identificado nenhum fator de risco que obrigue a uma restrição da administração da vacina".

HealthNews (HN)- Os possíveis efeitos secundários da vacina da AstraZeneca estão a causar medo na população. No entanto, existem outros medicamentos de uso diário com efeitos secundários ainda mais graves, como é o caso do paracetamol, ibuprofeno e do Viagra. Como explica este paradoxo?

Joana Carvalho (JC)- Todos os fármacos, medicamentos e vacinas têm efeitos colaterais. Se olharmos para a bula de um medicamento vemos sempre que há efeitos frequentes, raros, muito raros e há ainda uma secção onde se alerta para em caso de algum efeito que não esteja relatado contactar o Infarmed. Isto é algo comum a todos os medicamentos. 

É claro que esses medicamentos que mencionou são de uso comum, portanto ninguém está muito focado nos efeitos secundários. No caso da vacina não é isso que acontece. Em primeiro lugar foi em tempo recorde que vimos as vacinas introduzidas no mercado. Houve muitas pessoas que desconfiaram da eficácia e segurança das vacinas e acharam que não foram feitos testes suficientes. Isso não é verdade… As vacinas, assim como para qualquer outro fármaco, foram sujeitos a testes bastante rigorosos. Não é por acaso que algumas vacinas ficaram pelo caminho. No entanto, esse tempo dito “recorde” deve-se a um esforço sem precedentes, quer financeiro quer de expertise que conseguiu fazer com que as vacinas fossem testadas, tendo sempre por base a segurança e eficácia, e introduzidas no mercado o mais rapidamente possível.

Claro que neste momento toda a gente está focada no que é novo e para o que ainda se pensa que foi lançado muito precocemente e com falta de segurança.

HN- De acordo com a tabela da EMA, que hierarquiza os efeitos secundários raros, os coágulos no sangue provocados pela vacina são de (<1/100.000). O alarmismo que está a ser criado à volta da vacina justifica-se?

JC- Os eventos trombóticos são muito comuns na população em geral. Quando falo destes eventos já estou a falar de eventos trombóticos no geral que acontecem com a AstraZeneca e que também estão descritos com a Pfizer e a Moderna. No entanto, eles ocorrem até numa percentagem com uma incidência inferior ao que é esperado para a população geral. 

Com a AstraZeneca o que se verificou foi uma desproporção de eventos muito raros de tromboses em sítios específicos e pouco frequentes, nomeadamente a trombose venosa cerebral e no abdómen… Mas estamos a falar de 72 casos de trombose venosa cerebral e 24 casos de trombose no abdómen em 25 milhões de pessoas vacinas com a AstraZeneca em todo o mundo. Isto quer dizer que é um efeito muito raro. São tão raros que não se consegue estimar exatamente a sua incidência.

O que aconteceu é que a desproporção destes eventos, ainda que muito raros, é um pouco mais elevada com a vacina da AstraZeneca. Parece que existe uma relação entre os efeitos de trombose e a vacina, mas ainda não se sabe.

HN- O benefício supera os riscos?

JC- Estamos a falar de um evento muitíssimo raro e quando colocamos o risco e o benefício numa balança, o prato tende largamente para o benefício da vacina. 

É provavelmente muito mais frequente haver um efeito trombótico a tomar uma pilula no primeiro ano do que com a toma da vacina da AstraZeneca. Temos de pensar do que é que a vacina nos está a proteger… E quantas mortes há por dia, no mundo, associadas à Covid-19. 

A própria Agência Europeia do Medicamento fez esse exercício e concluiu que os benefícios suplantam os riscos, mesmo estes riscos que são muito raros (se é que realmente há uma relação).

HN- Há quem defenda que as mulheres não deveriam receber a vacina, tendo em conta que os episódios de trombose são mais frequentes no sexo feminino. Qual o seu ponto de vista?

JC- Realmente a trombose de uma forma geral está mais associada às mulheres. Tem a ver com o nosso ambiente hormonal que também aumenta o risco. Na população vacinada não está identificado nenhum fator de risco que obrigue a uma restrição da administração da vacina, nem em termos do sexo nem em termos de faixa etária. 

Mesmo aquela medida que se está a tomar em alguns países de restringir a vacina a determinadas faixas etárias não está recomendado pelas autoridades de saúde. 

Estes países estarão a tomar essa medida por um excesso de zelo e não por base científica. 

HN- Portugal decidiu, à semelhança de outros países europeus, restringir a vacina da AstraZeneca a pessoas mais jovens. Como olha para a nova posição das autoridades de saúde?

JC- Vejo-a como um excesso de zelo. Vejo como algo que as autoridades se veem forçadas a fazer pela pressão da população. Portanto, a decisão que as autoridades tomaram é uma resposta ao mediatismo que está a ser gerado à volta da vacina e não uma decisão com base em evidência científica. 

É perfeitamente compreensível face à opinião pública que se tem gerado, ao medo, à pressão e até mesmo às medidas que estão a ser tomadas noutros países.

HN- Consegue compreender que as pessoas fiquem desconfiadas e confusas quando veem que são dados sinais contraditórios? A EMA diz que os benefícios superam os riscos, mas depois verifica-se a implementação de medidas que restringem a toma da vacina…

JC- É como disse e bem, são tomadas medidas contraditórias e a minha única forma de entender é, de facto, uma tentativa de dar resposta à opinião pública e tentar aliviar a pressão que é colocada. No fundo a população pensa “se noutros países as mulheres jovens não tomam a vacina porquê eu, que sou portuguesa, tenho de tomar”. É por este motivo que são tomadas medidas não meramente baseadas na evidência científica, mas também com base empírica. 

HN- Que repercussão pode ter o ruído que está a ser criado à volta da Vaxzevria [novo nome da vacina]?

JC- A repercussão é mesmo a desconfiança que gera na população em geral, comprometendo o programa de vacinação, o combate à pandemia e o desconfinamento.

Entrevista de Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights