Câmara financia obras no serviço de Obstetrícia do Hospital das Caldas da Rainha

14 de Maio 2021

A Câmara das Caldas da Rainha vai financiar em 400 mil euros a realização de obras e aquisição de equipamentos para o serviço de Obstetrícia do hospital, no âmbito de um protocolo com o Centro Hospitalar do Oeste.

O protocolo, a que a agência Lusa teve hoje acesso, prevê que nos primeiros dois anos (2021/2022) seja aplicada uma verba de 200 mil euros e, nos dois anos seguintes, igual valor, para requalificar o serviço que serve um universo de 151.366 mulheres e que, devido à pandemia de Covid-19, viu reduzida a lotação inicial de 13 camas, para apenas três.

No acordo, assinado na quarta-feira, a Câmara das Caldas da Rainha compromete-se a manter, a título gratuito, o Serviço de Medicina Física e Reabilitação do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) a funcionar no edifício do Hospital Termal, património cuja gestão foi entregue à autarquia em 2015, com a possibilidade de cedência a outras entidades.

Perante a dificuldade do CHO “em encontrar uma definitiva localização para estes serviços” a cedência é feita pelo prazo de sete anos, estipula o protocolo em que a Câmara se compromete ainda a assegurar os serviços de portaria e vigilância dos edifícios do Hospital Termal e Balneário Novo e fornecer energia elétrica e água aos serviços.

A autarquia compromete-se igualmente a permitir a utilização da ala de internamento do 2.º piso do Hospital Termal, disponibilizar espaço de residência para hospedagem temporária de médicos ou de outro pessoal especializado e garantir a operacionalidade dos elevadores existentes e de aquecimento central no edifício.

Em contrapartida, entre outros fatores, o CHO compromete-se a disponibilizar o estacionamento junto ao Chafariz das Cinco Bicas para “permitir o estacionamento de camionetas turísticas aos fins de semana”, pode ler-se no documento.

Dentro do “espírito de entendimento e parceria” que preside ao protocolo, a autarquia e o CHO acordaram igualmente avançar com a recuperação e manutenção conjunta do espaço “Jardim de Água”, uma criação do artista Luís Ferreira da Silva (1928-2016), no prazo de 120 dias.

As duas entidades acordaram também colaborar no desenvolvimento de investigação na área dos efeitos medicinais e curativos dos tratamentos termais, aprofundar a parceria existente para a realização de visitas turísticas e culturais feitas pelo Museu do Hospital Termal ao Património Termal e definir vantagens aos utentes do CHO nos tratamentos termais realizados na Estância Termal das Caldas da Rainha (que reabre no sábado) e dos termalistas desta estância nos serviços do CHO.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, tendo uma área de influência constituída pelas populações dos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights