OMS alerta que uma em cada sete crianças tem problemas psicológicos na África Subsaariana

10 de Outubro 2021

Uma em cada sete crianças na África Subsaariana tem problemas “psicológicos significativos", alertaram este domingo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a UNICEF, pedindo mais investimentos e acesso aos serviços de saúde mental na região.

Num comunicado conjunto publicado por ocasião do Dia Mundial da Saúde Mental, que se celebra hoje, as duas agências da Organização das Nações Unidas (ONU) indicaram que as crianças e os adolescentes estão sempre em risco de sofrer problemas mentais, especialmente os vulneráveis que enfrentam a pobreza, a discriminação e a violência.

Os efeitos das alterações climáticas, as altas taxas de infeção pelo HIV (o vírus que causa a SIDA), a gravidez na adolescência e as emergências humanitárias também são ameaças constantes ao bem-estar mental de crianças e adolescentes em África.

A covid-19 expôs ainda mais as desigualdades globais, incluindo os cuidados de saúde mental.

As crianças africanas estão sujeitas a ameaças ainda maiores com o encerramento de escolas, nomeadamente uma maior exposição aos conflitos armados e a falta de oportunidades para brincar e socializar com os amigos.

Além disso, os longos confinamentos devido à covid-19 aumentaram os casamentos precoces, a gravidez na adolescência e a violência sexual e doméstica contra menores, sobretudo meninas.

No entanto, a OMS e o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (UNICEF, na sigla em inglês) realçaram que “a disponibilidade e a qualidade dos serviços de saúde mental para crianças e adolescentes em África são muito deficitários”.

Mesmo em países onde há psicólogos e psiquiatras especializados em menores, a média é de apenas um destes profissionais de saúde mental para cada quatro milhões de habitantes.

“O investimento em saúde mental continua extremamente baixo em África, com um gasto público inferior a um dólar ‘per capita’ […]. Não podemos permitir que milhões de crianças que precisam de cuidados não os tenham”, disse a diretora da OMS para a África, Matshidiso Moeti.

Segundo o diretor da UNICEF para a África Oriental e Austral, Mohamed M. Malick Fall, “é urgente abordar a saúde mental das crianças e adolescentes em África”.

“Ao longo dos anos, milhões de jovens foram expostos a desafios que seriam muito difíceis de enfrentar para a maioria dos adultos, pois muitas vezes têm que lidar com os impactos psicológicos por si mesmos. Os nossos sistemas ainda lhes estão a falhar”, sublinhou Fall.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Fundação BIAL: candidaturas aos apoios a projetos de investigação científica encerram a 31 de agosto

As candidaturas ao Programa de Apoios à Investigação Científica da Fundação BIAL estão abertas até ao dia 31 de agosto. Esta iniciativa destina-se a investigadores nas áreas da Psicofisiologia e da Parapsicologia, que terão a oportunidade de se candidatar a apoios financeiros que podem alcançar até 60 mil euros, sujeitando-se à avaliação dos membros do Conselho Científico da fundação.

Hospital CUF Tejo Imagiologia Cardiovascular recebe acreditação europeia

A Associação Europeia de Imagiologia Cardiovascular (EACVI) acaba de reconhecer a qualidade clínica e tecnológica do serviço de Imagiologia do Hospital CUF Tejo, atestando-o como referência na realização de ressonância magnética cardíaca, com especialização em ressonância magnética com stress. 

Unidade de Queimados da ULS de Coimbra celebra 35 anos

A Unidade de Queimados da ULS de Coimbra – a única em Portugal certificada pela European Burns Association (EBA) e uma das menos de trinta certificadas em toda a Europa como centro de queimados de alto nível – atende entre 150 a 200 doentes por ano.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights