Nova unidade de UCI do Hospital de São João no Porto aumenta segurança no tratamento

14 de Janeiro 2022

O Serviço de Medicina Intensiva do Hospital de São João, no Porto, abriu esta sexta-feira uma nova unidade que aumenta a resposta em oito camas e, “sobretudo, aumenta a qualidade e a segurança de tratamento do doente”.

A primeira fase de um investimento de expansão do Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospital Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, abriu hoje com a transferência de doentes para a nova área.

A unidade funcional do piso 6 deste departamento aumenta em oito o número de camas de nível 3 disponíveis, “camas capazes do máximo de cuidados de Medicina Intensiva”, mas, sobretudo, “aumenta a qualidade e a segurança do tratamento do doente”, adiantou à Lusa o diretor do serviço, José Artur Paiva.

Essa melhoria é possível “porque aumenta o espaço entre doentes e aumenta a qualidade do ambiente”, já que “passa a ser possível modelar as pressões do ambiente em que o doente está”.

Das 18 camas que são agora disponibilizadas, algumas delas que foram desafetadas de outras alas, seis são em quartos de isolamento pressurizados.

Essa resposta traz uma “enorme vantagem para a covid-19, mas também tem vantagens para outras infeções hospitalares”, que são “um problema significativo”, permitindo “proteger os doentes e os profissionais da aquisição e da transmissão de infeções”, destacou o intensivista.

“Passaremos a ser capazes de fazer, de forma muito clara, a utilização de pressão negativa na área covid-19, isto é, impedir, totalmente, a transmissão de vírus para fora dessa área, e aumentámos muito o número de quartos de isolamento”, acrescentou.

José Artur Paiva realçou ainda que “o Serviço de Medicina Intensiva do Hospital de São João é único na região em determinadas coisas, como doentes neurocríticos, com AVC grave ou traumatismo cranioencefálico grave, único na resposta ECMO – na resposta de circulação extracorporal – e é o hospital de maior casuística em termos de várias patologias, nomeadamente o trauma grave e até a covid-19”.

Considera, por isso, que “a valorização deste serviço tem impacto não só na população geograficamente dependente do hospital, mas numa região muito mais vasta”, porque “tem um posicionamento de polo de rede, de ‘pivot’ de rede, mas, mais do que ‘pivot’ de rede, acaba por responder aos doentes mais graves, mais críticos da região”.

Terminada a primeira fase, a segunda deverá estar concluída “dentro de dois, três meses”, adiantou o diretor do serviço.

“No final da intervenção, o Serviço de Medicina Intensiva estará dotado de 68 camas, todas com capacidade de nível máximo de cuidados”, esclareceu o hospital, em nota de imprensa enviada à Lusa.

A obra dotará a unidade de 10 quartos de isolamento pressurizados e permite a modulação de pressão (positiva, negativa ou neutra) nos ‘open-space’ assistenciais.

O hospital explica que “o aumento do número de quartos de isolamento reverso dá resposta à carência nacional destas estruturas, essenciais para acolher doentes críticos com necessidades especiais, nomeadamente imunodeprimidos e doentes com infeções respiratórias, como a covid-19 ou a tuberculose, reduzindo o risco de transmissão e de aquisição de infeções hospitalares e aumentando a segurança do doente e de profissionais”.

No total, serão investidos 6,5 milhões de euros neste serviço, sendo que cerca de metade do valor diz respeito à obra e a outra metade à aquisição de equipamentos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights