Comissão sul-africana diz que obrigatoriedade das vacinas é contra as mulheres

17 de Janeiro 2022

A Comissão para a Igualdade de Género (CGE, na sigla em inglês) da África do Sul considerou esta segunda-feira que a obrigatoriedade da vacinação é contra os direitos humanos das mulheres consagrados na Constituição da República.

“Manter a saúde pública, alcançar a imunidade de grupo e prevenir a mutação de variantes da covid-19 são atos nobres, mas não devem ser alcançados atropelando os direitos humanos fundamentais consagrados na Constituição”, referiu em comunicado a organização.

“A CGE gostaria de alertar que os mandatos obrigatórios de vacinação não substituem a Constituição da África do Sul e as suas disposições”, salientou.

No comunicado, divulgado pelo Governo sul-africano, a comissão salienta que a carta magna sul-africana concede a qualquer pessoa “o direito à integridade física e psicológica, que inclui o direito de tomar decisões sobre a reprodução; à segurança e controlo do seu corpo; e a não ser submetido a experimentações médicas ou científicas sem o seu consentimento informado”.

“A comissão está preocupada que os funcionários que não se vacinam possam ter os seus contratos rescindidos pelos empregadores se os mandatos de vacinação continuarem a ser permitidos sem terem em consideração os direitos humanos dos trabalhadores”, salienta.

“O setor do comércio emprega um grande número de jovens do sexo feminino, como operadores de caixa e empregadas de limpeza, e muitas delas não estão em condições de negociar com os seus empregadores, se não quiserem vacinar”, adiantou.

Nesse sentido, a CGE cita um estudo científico na publicação médica Obstetrics & Gynecology, em 05 de janeiro de 2022, salientando que “as vacinas podem causar uma pequena alteração no ciclo menstrual feminino, mas que a mudança é temporária”.

“Embora os especialistas em saúde acreditem que essa descoberta não seja clinicamente significativa, a comissão gostaria de alertar as empresas e várias instituições contra forçarem os funcionários a se vacinarem e a imporem sanções severas contra aqueles que não o fizerem”, referiu.

“Quando os cientistas estabelecem uma ligação entre as vacinas contra a covid-19 e a saúde reprodutiva das mulheres, como os ciclos menstruais, muitas mulheres podem não se sentir à vontade para tomar vacinas, devido a possíveis efeitos a longo prazo”, salienta a organização. “O desejo dessas mulheres de adiar a vacinação deve ser respeitado no contexto do compromisso dos direitos humanos no nosso país”, acrescentou.

A comissão para a igualdade de género sul-africana também apela às instituições de ensino superior para que “respeitem os estudantes e trabalhadores que podem não querer vacinar.”

“Deve-se reconhecer que o Covid-19 é uma pandemia relativamente nova e que cientistas na África do Sul e em todo o mundo ainda estão trabalhando para avaliar os efeitos a longo prazo das vacinas. Isso é mais crítico para as mulheres, que precisam gerenciar a saúde menstrual, a contraceção e a reprodução sexual, como parte da sua saúde reprodutiva”, adiantou a comissão para a igualdade de género da África do Sul.

Nas últimas vinte e quatro horas, as autoridades de Saúde sul-africanas contabilizaram 2.597 novos casos de infeção do novo coronavírus, que causa a Covid-19, elevando para 3.559.230 o número total de casos confirmados em laboratório no país.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights