Mais de 315 mil eleitores podem votar hoje em mobilidade

23 de Janeiro 2022

Mais de 315 mil eleitores que se inscreveram para votar antecipadamente para as legislativas podem fazer este domingo as suas escolhas, com as autoridades de saúde a recomendar cuidados como usar máscara cirúrgica e a própria caneta.

A utilização de máscara cirúrgica ou máscara FFP2, a desinfeção das mãos, manter o “afastamento recomendado” enquanto se aguarda a vez de votar e usar uma caneta própria para votar são algumas das medidas recomendadas pela Direção-Geral de Saúde para evitar o contágio pelo SARS-CoV-2.

Entre o passado domingo e quinta-feira, os eleitores recenseados no território nacional puderam inscrever-se para votar antecipadamente numa mesa de voto à sua escolha, no continente ou nas Regiões Autónomas, exercendo o seu direito uma semana antes do dia da eleição, 30 de janeiro. Independentemente do local em que deposita o seu voto, este contará sempre para o círculo onde o eleitor está recenseado.

Depois de se identificar perante o presidente da mesa, o eleitor recebe um boletim de voto e dois envelopes, um branco e um azul. O boletim é colocado no envelope branco e este no envelope azul, que é selado com uma vinheta de segurança. O eleitor recebe um duplicado da vinheta colocada no envelope azul, que serve de comprovativo do exercício do direito de voto.

De acordo com dados do Ministério da Administração Interna (MAI), inscreveram-se mais de 315 mil eleitores nesta modalidade, um número que ficou abaixo das expetativas do Governo, que desenhou uma logística para que cerca de um milhão de portugueses pudesse votar este domingo.

Quem se inscreveu e não puder votar poderá ainda fazê-lo no dia 30.

Nas anteriores legislativas, em 2019, mais de 50.000 eleitores votaram antecipadamente, uma semana antes das eleições, enquanto nas presidenciais de 2021, já durante a pandemia de Covid-19, 197.903 portugueses exerceram o seu direito uma semana antes da data do ato eleitoral.

A meio da campanha eleitoral, o primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, vota no Porto, de manhã, tal como, pelo menos, mais quatro dirigentes de partidos candidatos.

O líder parlamentar do PCP e candidato da CDU pelo círculo eleitoral de Évora, João Oliveira, tem a sua votação prevista para as 08:30, em Évora.

Em Lisboa, Rui Tavares, fundador do Livre e cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Lisboa, deverá votar pelas 13:30 na Reitoria da Universidade de Lisboa, tal como o fará a porta-voz do Movimento Alternativa Socialista (MAS) e candidata por Lisboa Renata Cambra, às 17:00.

Nas anteriores legislativas, em 2019, mais de 50.000 eleitores votaram antecipadamente, uma semana antes das eleições, enquanto nas presidenciais de 2021, já durante a pandemia de Covid-19, 197.903 portugueses exerceram o seu direito uma semana antes da data do ato eleitoral.

Mais de 10 milhões de eleitores residentes em Portugal e no estrangeiro constam dos cadernos eleitorais para a escolha dos 230 deputados à Assembleia da República.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights