Macau reduz para 21 dias quarentena para provenientes de países de extremo alto risco

31 de Janeiro 2022

Macau decidiu reduzir de 28 dias para 21 dias a quarentena obrigatória aplicada, a partir de hoje, a pessoas vindas de “países considerados de extremo alto risco” de propagação da Covid-19, incluindo Brasil e Moçambique.

Segundo um comunicado do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, divulgado no domingo à noite, a alteração aplica-se também às pessoas já a cumprir a quarentena em hotéis designados para o efeito.

Desde 06 de janeiro que Macau começou a aplicar, devido ao surgimento da variante Ómicron, uma quarentena de 28 dias – que podia ir até 35 dias, caso a pessoa tivesse anticorpos do vírus – a países de extremo alto risco, tais como os Estados Unidos da América, Indonésia, Nepal, Filipinas, Índia e Paquistão.

Os passageiros vindos destes países têm ainda de apresentar, antes de embarcar para Macau, três testes negativos à Covid-19 realizados nos cincos dias anteriores à partida e com um intervalo de pelo menos 24 horas.

Macau registou apenas 79 casos desde o início da pandemia, sem qualquer morte.

Assim como acontece na China continental, o Governo de Macau passou a não considerar os casos assintomáticos para efeitos de contabilidade dos casos registados.

A 27 de janeiro, as autoridades de saúde de Macau indicaram numa conferência de imprensa semanal sobre a situação epidémica, que não estão disponíveis para reduzir a quarentena a menos de 21 dias, admitindo, no entanto, que o prazo de incubação da variante Ómicron é mais curto.

Entre 09 e 23 de janeiro, Macau tinha proibido a chegada de aviões de passageiros vindos de fora da China.

A medida afetou dezenas de portugueses residentes em Macau que se encontravam no estrangeiro e se viram impossibilitados de regressar ao território.

Em novembro, o epidemiologista Manuel Carmo Gomes disse à Lusa que não vislumbra bases científicas para as restrições às viagens e quarentenas impostas em Macau a pessoas provenientes do estrangeiro, devido à pandemia de Covid-19.

“Acho isso tudo muito exagerado, nomeadamente para pessoas que estão completamente vacinadas. Não percebo a lógica dos 21 dias” de quarentena, disse o professor, investigador e epidemiologista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Todas estas medidas se aplicam apenas a pessoas provenientes de fora da China continental. Aos viajantes da China continental, não é exigida quarentena, bastando a apresentação de teste negativo à Covid-19.

Quando são detetados surtos em províncias chinesas, as autoridades de Macau têm imposto quarentena, mas apenas de 14 dias, e não de 21.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights