Cortes de financiamento dos doadores para programas de planeamento familiar atingem as nações mais pobres

20 de Fevereiro 2022

O financiamento dos doadores para o planeamento familiar em 59 países de baixo e médio rendimento diminuiu em mais de 100 milhões de dólares em 2020, colocando as mulheres em risco de abortos inseguros e morte.

O relatório do FP2030 e da Kaiser Family Foundation, informa que os cortes na ajuda externa do Reino Unido foram o principal motor do declínio, e advertiu que reduções adicionais de financiamento no futuro poderiam comprometer os progressos feitos na última década.

Apesar da perda de apoio, o uso de contracetivos em países de baixo e médio rendimento impediu 135 milhões de gravidezes não intencionais, 28 milhões de abortos inseguros, e 140.000 mortes de mulheres em idade reprodutiva no ano passado, segundo o relatório.

“O foco para a próxima década deve ser a construção da sustentabilidade, com fluxos de financiamento diversificados e utilização eficiente dos recursos”, diz Jason Bremner, chefe da gestão de dados e desempenho no FP2030, uma parceria global centrada no planeamento familiar.

“Uma combinação de mobilização de recursos nacionais liderada pelo país e um maior envolvimento do sector privado criará uma abordagem mais estável e holística do financiamento do planeamento familiar”.

O relatório avaliou o financiamento de serviços de planeamento familiar em 59 países, incluindo Jibuti, Gana, Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Tanzânia, incluindo o financiamento do governo doador e as despesas do governo nacional.

Constatou-se que o financiamento bilateral ou doador de governos estrangeiros diminuiu de 1,5 mil milhões de dólares em 2019 para 1,4 mil milhões de dólares em 2020.

O relatório cita os Estados Unidos como o maior doador bilateral para o planeamento familiar a nível mundial em 2020, contribuindo com 42% ou 592,5 dólares do financiamento bilateral total. Seguiram-se o Reino Unido com 266,5 milhões de dólares (19%) e os Países Baixos com 202,3 milhões de dólares (14%), mas verificaram-se disparidades no financiamento entre países de baixo e médio rendimento.

“Os doadores representaram menos de um por cento das despesas em planeamento familiar na Indonésia, mas até 72 por cento em Moçambique”, afirma o relatório.

Adam Wexler, diretor associado para a saúde global e política de VIH na Fundação Kaiser Family, diz que o declínio do financiamento em 2020 é em grande parte impulsionado pelo Reino Unido, em parte como resultado de cortes na assistência oficial ao desenvolvimento resultantes de contrações económicas impulsionadas pela COVID.

Três governos doadores aumentaram o seu financiamento (Canadá, França e Suécia), quatro diminuíram-no (Dinamarca, Alemanha, Noruega e Reino Unido), e três permaneceram inalterados (Austrália, Países Baixos e Estados Unidos), explica Wexler.

Bremner acrescenta que parece pouco provável que o financiamento internacional dos doadores para o planeamento familiar aumente significativamente nos próximos anos.

“Para os países de rendimento médio-baixo, em particular, a transição da ajuda dos doadores é um desafio que se aproxima. Espera-se que eles contribuam mais com recursos nacionais e que consigam sobreviver com menos recursos de doadores, para sustentar os ganhos do planeamento familiar”, explica Bremner.

Chioma Nwakanma, o fundador da Fundação SMILE with Me, uma organização sem fins lucrativos baseada na Nigéria, diz que os cuidados contracetivos abrangem tanto a educação sanitária como os serviços de planeamento familiar, e que quando estes faltam, a comunidade e toda a nação sofrem.

“Uma nação sofrerá no sentido de que haverá uma maior incidência de aborto inseguro, altas taxas de mortalidade materna, explosão populacional, altas taxas de [pessoas] sem instrução e altas taxas de criminalidade, entre outras”, diz ela.

Nwakanma acredita que para combater estes problemas, os governos africanos devem garantir que financiam o planeamento familiar com poucos ou nenhuns fundos de doadores. “Uma comunidade é tão saudável quanto o são as suas mulheres”, acrescenta ela.

Bremner concorda, acrescentando que o planeamento familiar contribui para vários resultados-chave de saúde e desenvolvimento em qualquer país, começando com reduções nas complicações da gravidez, mortalidade materna e mortalidade infantil e infantil.

“O planeamento familiar é um dos melhores investimentos em saúde e desenvolvimento social que um país pode fazer, uma vez que está ligado a melhores resultados educacionais e económicos para as mulheres, raparigas e famílias, bem como a um maior envolvimento na tomada de decisões”, diz Bremner à SciDev.Net.

NR/HN/Alphagalileo

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

FNAM aponta quatro prioridades para reunião com o Governo

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) identificou hoje os salários, as 35 horas semanais, a integração dos médicos internos na carreira e as progressões como prioridades para o encontro da próxima sexta-feira com o Governo.

ULS de Braga certifica mais 35 profissionais no âmbito do Programa Qualifica AP

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) finalizou, esta semana, o processo de certificação de mais 35 profissionais, no âmbito do Programa Qualifica AP, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), através do Centro Qualifica AP.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights