SPMI organiza Curso de Raciocínio e Registo Clínico

22 de Fevereiro 2022

O Núcleo de Estudos de Formação em Medicina Interna (NEForMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) vai realizar nos dias 1 e 2 de abril, no Porto, o Curso de Raciocínio e Registo Clínico.

João Araújo Correia, Paulo Paiva e Vasco Barreto são os formadores responsáveis pelo curso. Os três internistas, “com muitos anos de experiência”, “mantêm viva a paixão pelo exercício pleno da Medicina Interna”, lê-se no comunicado de imprensa.

“Acreditamos que aquilo que mais distingue o Internista” é a “capacidade de ter um pensamento científico orientado, perante um doente incomum ou muito complexo, com vários problemas aparentemente desconexos. É a isso que se chama Raciocínio Clínico, que pode ser mais ou menos inato, mas que também se treina, com recurso a vários métodos. Quando nos habituamos a pensar os doentes desta forma, não há dois doentes iguais, porque cada um tem uma constelação própria de problemas”, disse João Araújo Correia, presidente cessante da SPMI.

O registo clínico é também uma base essencial do exercício da Medicina. “Podemos auditar um Serviço através da análise dos seus Registos Clínicos. Um bom Registo Clínico leva à prestação de melhores cuidados de saúde”, segundo João Araújo Correia.

O curso baseia-se no livro “Registo e Raciocínio Clínico”, publicado em 2018 por João Araújo Correia e Vasco Barreto.

Inscrições disponíveis aqui até 13 de março.

PR/HN/Rita Antunes

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights