Djokovic insiste em não ter a vacina e diz que isso não afeta ninguém

24 de Fevereiro 2022

O tenista sérvio Novak Djokovic, líder do ‘ranking’ mundial, justificou a decisão de não receber a vacina contra o novo coronavírus devido ao conhecimento que tem do seu corpo e por isso não ter impacto nos outros.

“Com base nas informações sobre a vacina, decidi não me vacinar. É a minha posição. Vai mudar? Não sei, tudo evolui rapidamente, como vemos pelas decisões de certos governos”, disse o jogador, em entrevista hoje publicada pelo L’Équipe.

Novak Djokovic, que foi deportado da Austrália por não estar vacinado e ter prestado falsas declarações à entrada do país, e, assim, impedido de disputar o Open da Austrália, reiterou que entende não ser um perigo para os outros.

“Neste momento, não sinto necessidade de o fazer para proteger o meu corpo e não tenho ideia de ser uma ameaça para os outros. Vacinado ou não, o vírus é transmissível. É a minha posição, e, de futuro, a mente está aberta. Tudo é possível”, acrescentou.

O sérvio justificou ainda que a sua carreira no ténis se tem baseado no profundo conhecimento que tem do seu corpo, o que o faz ter poucas lesões e uma busca permanente para melhorar o desempenho e capacidade física.

“O corpo deve funcionar todo o tempo, a todo o vapor durante mais de 15 anos. Quem é que o consegue fazer além do Roger [Federer], Rafa [Nadal] e eu? (…). Há um enorme trabalho por detrás disto”, disse ainda o sérvio.

Nessa preparação e cuidado com o corpo, Djokovic deu como exemplos o adiamento da cirurgia ao cotovelo em 2018 ou o facto de alterar a sua dieta alimentar em 2010, levando a que eliminasse a ingestão de glúten.

Uma filosofia que leva Djokovic a comparar-se a atletas como LeBron James, o falecido Kobe Bryant, Tom Brady ou Cristiano Ronaldo, como desportistas que deram ou dão prioridade permanente a um estilo de vida.

“Quero ser o único dono do meu corpo. Se não tiver um conhecimento suficiente do meu corpo, é como se desse a autonomia a outra pessoa”, adiantou, explicando que não é influenciado por ninguém e que se consulta, como todas as pessoas, com médicos convencionais de vários países.

A cCvid-19 provocou pelo menos 5.904.193 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights