Movimento nos aeroportos de Cabo Verde aumentou quatro vezes em janeiro

8 de Março 2022

O movimento total de passageiros nos aeroportos de Cabo Verde aumentou quatro vezes em janeiro, face ao mesmo mês de 2021, para quase 149 mil, indicam dados oficiais compilados esta terça-feira pela Lusa.

De acordo com as estatísticas da Agência de Aviação Civil (AAC), que regula o setor em Cabo Verde, os aeroportos e aeródromos do arquipélago registaram em janeiro deste ano um movimento de 1.897 aeronaves em embarques e desembarques (aumento de 128,3% face ao mesmo mês de 2021), em voos internacionais e domésticos.

O número de passageiros em embarques, desembarques e trânsito em todo o mês de janeiro foi de 30.786 em voos domésticos e 117.923 em voos internacionais, traduzindo-se num movimento global de 148.709 passageiros, contra os 38.351 no primeiro mês de 2021.

Cabo Verde tem quatro aeroportos internacionais, nas ilhas de Santiago, do Sal, da Boa Vista e de São Vicente, e três aeródromos, nas ilhas de São Nicolau, Maio e Fogo, todos operados pela empresa pública ASA.

A Lusa noticiou anteriormente que o movimento total de passageiros nos aeroportos cabo-verdianos já tinha crescido 7% em 2021, face a 2020, para mais de 830 mil, um resultado melhor do que o esperado face às restrições impostas pela pandemia de Covid-19, indicam dados oficiais.

De acordo com dados da Agência de Aviação Civil, os aeroportos e aeródromos do arquipélago registaram de janeiro a dezembro de 2021 um movimento de 14.284 aeronaves em embarques e desembarques (aumento de 8,5% face a 2020), em voos internacionais e domésticos.

O número de passageiros em embarques, desembarques e trânsito em todo o ano passado foi de 287.752 em voos domésticos e 542.488 em voos internacionais, traduzindo-se num movimento global de 830.240 passageiros, contra os 775.998 em igual período de 2020 (+7%). Contudo, os aeroportos cabo-verdianos só funcionaram em 2020 até março, tendo sido suspensas todas as ligações aéreas, domésticas (até julho) e internacionais (até outubro), para conter a pandemia de Covid-19.

Estes números ainda estão longe dos verificados antes da pandemia de Covid-19 e só de janeiro a dezembro de 2019, os aeroportos de Cabo Verde somaram 2.771.931 passageiros, em 35.002 movimentos de aeronaves em voos domésticos e internacionais.

Estimativas anteriores da empresa estatal Aeroportos e Segurança Aérea (ASA) apontavam que o movimento nos aeroportos de Cabo Verde deveria ficar abaixo de 500 mil passageiros em 2021, agravando a perda de quase dois milhões de passageiros no ano anterior.

As previsões constavam do relatório e contas de 2020 da empresa que gere os quatro aeroportos internacionais e três aeródromos do país, fortemente afetada pela pandemia de Covid-19, que levou a um prejuízo de 1.771 milhões de escudos (16 milhões de euros) naquele ano.

Cabo Verde registou em 2019 um recorde de 819 mil turistas, setor que garante 25% do Produto Interno Bruto, mas que está parado desde março de 2020, devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19, afetando igualmente o setor aeronáutico e de navegação aérea.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights