Mais de 3,8 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia

28 de Março 2022

Mais de 3,8 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde que a Rússia invadiu o país em 24 de fevereiro, mas o fluxo de refugiados diminuiu acentuadamente desde terça-feira, avançou a Nações Unidas (ONU) numa contagem este domingo divulgada.

No total, mais de 10 milhões de pessoas, mais de um quarto da população da Ucrânia, tiveram que deixar as suas casas, quer seja passando a fronteira para encontrar refúgio em países vizinhos, quer deslocados no próprio país. A ONU estima que existam quase 6,5 milhões de deslocados internos.

Segundo a informação de domingo do ‘site’ do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR)foram contabilizados 3.821.049 refugiados ucranianos, mais 48.450 pessoas do que no sábado.

Desde terça-feira, o número de pessoas que querem fugir da Ucrânia diminuiu de 100 mil pessoas por dia para cinquenta mil nos últimos dias.

A Europa não registava este fluxo de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.

Cerca de 90% dos refugiados que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), contabilizam-se entre os refugiados mais de 1,5 milhões de crianças.

De acordo com a contagem do ACNUR, na Polónia já entraram, desde o início do conflito, 2.267.103 pessoas oriundas da Ucrânia até sábado, enquanto a Roménia acolheu 586.942 pessoas até à mesma data.

De acordo com a agência da ONU para os refugiados, 381.395 pessoas entraram na Moldova até sábado, a Hungria já recebeu 349.107 ucranianos, a Eslováquia 272.012, para a Rússia seguiram quase 271.254 pessoas e para a Bielorrússia 6.341.

O ACNUR excluiu a contagem de outros países europeus e esclarece que, para os países que fazem fronteira com a Ucrânia e fazem parte do Espaço Schengen (Hungria, Polónia e Eslováquia), os números apresentados são aqueles que cruzaram a fronteira e entraram no país.

A organização estima que “um grande número de pessoas continuou sua jornada para outros países”, no entanto, não contabiliza pessoas de países vizinhos que deixam a Ucrânia para voltar para casa.

Antes da invasão russa, mais de 37 milhões de pessoas viviam na Ucrânia nos territórios controlados por Kiev – que não incluem a Crimeia (sul) anexada em 2014 pela Rússia, nem as áreas do leste do país sob controlo de separatistas pró-russos desde o mesmo ano.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou, entre a população civil, pelo menos 1.081 mortos, incluindo 93 crianças, e 1.707 feridos, entre os quais 120 menores, e provocou a fuga de mais 10 milhões de pessoas, das quais 3,7 milhões foram para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights