TdC diz que há entidades da Defesa que não registaram despesas com Covid-19 em 2020

28 de Abril 2022

O Tribunal de Contas (TdC) alerta que há entidades do Ministério da Defesa Nacional que não registaram, nas contas de 2020, despesas relativas a medidas com a Covid-19, refere num relatório hoje divulgado.

No relatório ‘Aplicação dos novos referenciais contabilísticos na área da Defesa Nacional’, uma das análises do TdC é sobre o impacto da Covid-19 na execução orçamental de 2020 das entidades do Ministério da Defesa Nacional.

Segundo a mesma fonte, o “Exército e a Marinha foram aqueles que mais despesas apresentaram no âmbito das medidas Covid-19 registadas no Sistema de Informação para a Gestão Orçamental [SIGO], seguidos pelo Estado-Maior-General das Forças Armadas e pela Força Aérea, sendo que as despesas mais significativas ocorreram no âmbito da Medida 95 – Contingência Covid-2019 – Prevenção, contenção, mitigação e tratamento”.

O TdC indica que foram detetadas divergências entre os montantes indicados pela Marinha, na prestação de contas de 2020, relativos às despesas no âmbito da Medida 95 (3,537 milhões de euros) e os pagamentos constantes do Sistema de Informação para a Gestão Orçamental nesta medida (2,964 milhões de euros), sendo a discrepância no valor de 573 mil de euros.

Em justificação ao Tribunal de Contas, a Marinha explicou que esse valor se deve a despesas que teve antes de a Direção-Geral do Orçamento (DGO) emitir orientações sobre a matéria.

Ainda segundo o TdC, seis entidades do Ministério da Defesa Nacional não reportaram no sistema qualquer despesa no âmbito das medidas Covid-19, sendo essas entidades a Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, Gabinetes de membros do Governo, Empoderf – Engenharia Naval, Extra – Explosivos da Trafaria, IdD – Plataforma das Indústrias de Defesa Nacional e Instituto Hidrográfico.

Contudo, acrescenta, “verificaram-se situações em que não foi apresentada execução orçamental nas medidas Covid-19 (SIGO), enquanto no Portal BASE constam contratos celebrados naquele âmbito”, dando o exemplo de Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional e IdD.

Diz ainda que há mesmo “situações de inexistência de contratos publicitados no Portal BASE, mas com execução orçamental de despesa Covid-19 no Sistema de Informação para a Gestão Orçamental, caso de Direção-Geral de Política de Defesa Nacional e Instituto da Defesa Nacional.

Quanto aos contratos remetidos ao TdC, no âmbito de despesas com a Covid-19, refere o relatório que “verificou-se que Estado-Maior-General das Forças Armadas e Força Aérea ambos remeteram dois contratos, enquanto o Exército não efetuou qualquer remessa, apesar de no Portal Base ter publicitado contratos sujeitos a esta obrigação”.

Ainda segundo o relatório hoje divulgado, das 19 contas reportadas a 2020, 18 foram preparadas já no Sistema de Normalização Contabilística para as Administrações Públicas (SNC-AP), “sendo que 10 aplicaram o regime integral deste normativo contabilístico e oito o regime simplificado”. Refere ainda que 13 dos 19 processos de prestação de contas não se encontravam completos, sendo que algumas situações forma corrigidas.

Em 2020, o Ministério da Defesa Nacional abrangia um universo de 19 entidades, das quais 18 integram o perímetro das Administrações Públicas, sendo 13 serviços integrados (os quais representam 99% da despesa do universo em análise, destacando-se Exército, Marinha e Força Aérea, que valem, em conjunto, 75% da despesa do Ministério), cinco empresas públicas e um instituto público.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga certifica mais 35 profissionais no âmbito do Programa Qualifica AP

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) finalizou, esta semana, o processo de certificação de mais 35 profissionais, no âmbito do Programa Qualifica AP, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), através do Centro Qualifica AP.

PCP apresenta medidas para “inverter a degradação” do SNS

O PCP apresentou esta sexta-feira algumas medidas urgentes para “inverter a degradação” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), criticando as “políticas de vários governos” de PS, PSD e CDS, que abriram “caminho para a destruição” daquele serviço público.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights