10% das crianças portuguesas entre os 4 e os 7 anos sofrem de enurese

31 de Maio 2022

Estima-se que 10% das crianças portuguesas entre os 4 e os 7 anos sofrem de enurese, uma condição involuntária de perda de urina durante a noite.

No âmbito do Dia Mundial da Enurese, os especialistas defendem que crianças que molham a cama depois dos cinco anos de idade devem ser acompanhadas por um pediatra e que a população deve estar consciente das consequências de não abordar a enurese no momento certo.

A falta de conhecimento para esta disfunção leva a que molhar a cama seja considerado um “mal menor”. Muitas famílias consideram que este problema se resolve ao longo do tempo e, embora se estime que em aproximadamente 15% dos casos há uma resolução de forma natural.

Os especialistas explicam que a Enurese está relacionada com situações de ansiedade crónica, problemas de autoestima e impacto na esfera social.

A enurese, disfunção que envolve a perda involuntária de urina durante a noite, em crianças com mais de cinco anos de idade, afeta o dia-a-dia dos mais novos, uma vez que estes evitam participar em atividades da sua idade, como ir a acampamentos, excursões e dormir na casa da família ou amigos, com o intuito de esconderem este problema.

Além disso, causa perturbações no sono, que se traduzem numa diminuição da atenção na escola e, portanto, numa taxa mais elevada de insuficiência escolar.

Um inquérito realizado junto da comunidade médica de pediatria e publicado na revista Acta Pediátrica Portuguesa revela que “apenas 6% dos pediatras acreditam ter diagnosticado mais de 75% dos casos, enquanto quase metade (49%) pensa, pelo contrário, que tem diagnosticado menos de 25% dos casos”.

O Dia Mundial da Enurese surge para aumentar o conhecimento sobre esta condição.

PR/HN/VC

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights