Ordem dos Médicos defende uso de anticorpos para proteger as pessoas imunodeprimidas

14 de Julho 2022

O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu a administração de anticorpos monoclonais às pessoas com o sistema imunitário deprimido para prevenir a Covid-19, alegando que esse tratamento apenas é feito “tarde demais” em Portugal.

“As pessoas que têm o sistema imunitário em baixo, que não conseguem produzir anticorpos, têm uma alternativa, que são os anticorpos monoclonais neutralizantes, o que está a ser feito em praticamente em todos os países da Europa e que nós não estamos a fazer para proteger essas pessoas”, afirmou Miguel Guimarães, numa audição parlamentar requerida pelo PSD sobre a mortalidade por todas as causas em Portugal.

Respondendo a uma questão da deputada Joana Cordeiro, da Iniciativa Liberal, sobre a mortalidade por Covid-19, o bastonário salientou que essa utilização dos anticorpos em pessoas imunodeprimidas “era uma boa recomendação que os deputados poderiam fazer à Direção-Geral da Saúde”, o que também já foi feito pela Ordem.

Em Portugal, o tratamento da Covid-19 com estes fármacos só está a ser realizado “quando as pessoas já têm a doença, ou seja, tarde demais”, afirmou.

De acordo com o bastonário, as pessoas que, por algum motivo, tem o sistema imunitário deprimido “não têm à mesma reação às vacinas” contra a Covid-19 e não conseguem produzir os anticorpos necessários para ficarem protegidas contra o coronavírus SARS-CoV-2.

“Temos solução para isso. Pode não ser a melhor solução do mundo, mas é uma boa solução, porque dá uma boa proteção. A vacina destes doentes é fazerem os anticorpos monoclonais que nós damos diretamente à pessoa e que lhes vai dar uma proteção”, assegurou o médico.

Miguel Guimarães salientou ainda que as pessoas transplantadas, com doenças oncológicas que estão a fazer imunossupressores ou com outras patologias que causam imunossupressão, são uma “parte significativa dos doentes que têm Covid-19 mais grave e que, consequentemente, acabam por morrer”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights