Covid-19: Aliança dos ‘media’ públicos condena ataques a jornalistas na China

29 de Novembro 2022

A maior aliança mundial de meios de comunicação públicos, a União Europeia de Radiotelevisão (UER), condenou esta segunda-feira os "ataques" a jornalistas que cobrem os protestos contra as restrições sanitárias na China.

Em comunicado, a organização sediada em Genebra “condena veementemente a intimidação intolerável e os ataques a jornalistas e equipas de produção de membros da UER na China”.

A situação na China está a tornar-se “cada vez mais volátil” na sequência dos protestos dos opositores à estratégia de tolerância zero contra a covid-19, acusou a organização.

Eric Scherer, presidente do Comité de Notícias da UER, expressou a consternação da organização “com a notícia da detenção injustificada de vários jornalistas estrangeiros, oficialmente acreditados para trabalhar na China, no quadro das suas funções”.

“Esperamos receber uma explicação oficial destes incidentes perturbadores por parte das autoridades competentes, a fim de entender como podemos continuar a garantir condições de trabalho seguras para os jornalistas sediados na China”, disse.

De acordo com a BBC, um dos seus jornalistas que cobria os protestos históricos em Xangai foi detido e espancado, e um jornalista da emissora suíça RTS “foi assediado enquanto estava a transmitir um ‘vivo'”, disse a UER, referindo que outros jornalistas também foram ameaçados e alguns foram impedidos de entrar em antena ou de filmar.

“A agressão e intimidação de jornalistas pela polícia e outras autoridades na China é inaceitável e estes últimos incidentes marcam mais um golpe baixo”, denunciou a diretora-adjunta Liz Corbin no comunicado.

“Apelamos urgentemente às autoridades chinesas para que respeitem os direitos dos jornalistas e dos membros da UER que vivem e trabalham na China para ajudar o público em países estrangeiros a compreender melhor o que se passa lá”, disse.

A UER é a maior aliança de meios de comunicação públicos do mundo, contando com 112 organizações membro em 56 países e como 31 filiais na Ásia, África e Américas.

As manifestações contra as medidas de prevenção epidémica vigentes na China alastram por várias cidades e, no fim de semana, centenas de grupos de moradores em Pequim saíram dos seus condomínios, rompendo de facto com a imposição de medidas de confinamento.

Em alguns casos, os manifestantes lançaram palavras de ordem contra o líder chinês, Xi Jinping, e o Partido Comunista da China.

Ao abrigo da política de ‘zero casos’ de covid-19, a China impõe o bloqueio de bairros ou cidades inteiras, a realização constante de testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e respetivos contactos diretos em instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights