Japão entrega 2.800 toneladas de arroz em ajuda alimentar a São Tomé e Príncipe

6 de Fevereiro 2023

O Governo japonês entregou hoje 2.800 toneladas de arroz, equivalente a cerca de 2 milhões de euros, de ajuda alimentar a São Tomé e Príncipe, cuja contrapartida será aplicada em projetos socioeconómicos no arquipélago, foi hoje anunciado.

“Esta ajuda alimentar não reembolsável, no valor de 2.800 toneladas de arroz, visa em primeiro lugar reduzir a escassez de alimentos em São Tomé e Príncipe e contribuirá para garantir a segurança alimentar, tornando rentável o arroz oferecido a um preço preferencial a operadores económicos selecionados no mercado local. Posteriormente as receitas destas vendas serão utilizadas para constituir um fundo de contrapartida após consulta entre os nossos dois governos”, disse o embaixador do Japão em São Tomé, Shuji Noguchi.

Durante a cerimónia de entrega oficialm que decorreu em São Tomé, o diplomata nipónico precisou que a ajuda corresponde a cerca de 50 milhões de dobras e faz parte da parceria de mais de 40 anos entre os dois países, “no domínio da ajuda alimentar, que representa um símbolo de cooperação sincera e ativa”.

Shuji Noguchi recordou que, com o fundo de contrapartida da ajuda alimentar de 2021, também estimada em 2.800 toneladas de arroz, foi possível financiar projetos socioeconómicos, e contribuir para a organização de eleições presidenciais, legislativas, autárquicas e regionais realizadas nos últimos anos no arquipélago são-tomense.

“No mesmo espírito de fraternidade, amizade e solidariedade, o Japão tem prestado apoio necessário em áreas fundamentais para a sociedade são-tomense, tais como a educação e a pesca. No âmbito de micro-projetos, o Japão implementou 33 projetos no país, num montante total de mais de 52 milhões de dobras”, sublinhou.

“Esta assistência apoia hoje os esforços fornecidos pelo Governo de São Tomé e Príncipe para reforçar a segurança humana num contexto socioeconómico difícil afetado pela instabilidade global que levou à escassez internacional de alimentos e ao aumento dos preços dos cereais”, acrescentou o embaixador do Japão.

Por outro lado, Shuji Noguchi assegurou que “o Japão estará sempre ao lado” de São Tomé e Príncipe nos esforços para “consolidar a estabilidade, democracia, assistência humanitária e proteção das populações afetadas pela crise alimentar”.

O diplomata encorajou os são-tomenses “a envolverem-se mais na gestão escrupulosa do arroz doado, bem como no fundo de contrapartida” de modo a “contribuir plenamente para atenuar a escassez alimentar e promover o desenvolvimento económico e social do país para o bem-estar das populações”.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros, Alberto Pereira, e do Plano e Finanças, Genésio da Mata, representaram o Governo no ato de entrega do donativo do Japão.

“Este apoio não somente irá ajudar a fazer face aos problemas alimentares, mas também vai ser vendida a um preço módico, e este preço tem contribuído para o fundo de contrapartida e com este fundo o país tem realizado muito projetos socioeconómicos com a benevolência do Governo do Japão”, disse Alberto Pereira.

Entretanto, o diretor do Comércio e Indústria, Fernando Amadeu Pereira, adiantou que as autoridades são-tomense estão a investigar um caso de infestação de 17 contentores de arroz que foram entregues no último donativo feito pelo Japão.

“Estamos à espera que os especialistas enviados pelo fornecedor nos digam qual é o procedimento a seguir […] normalmente esses insetos não trazem nenhum problema à saúde humana nem para os animais”, disse o responsável.

O Governo são-tomense fixou o preço oficial do arroz a 17 dobras (0,69 euros) nos armazéns e a venda ao público não deverá ultrapassar 20 dobras (0,82 euros) o quilo.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights