Estudo conclui que variantes afetam outros órgãos do sistema imunitário

15 de Fevereiro 2023

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto concluíram que as variantes do SARS-CoV-2 afetam outros órgãos "fundamentais" do sistema imunitário, em particular a medula óssea e o timo.

Em comunicado, o i3S adianta que a investigação, liderada por Margarida Saraiva, avaliou “de forma detalhada” a infeção provocada por três variantes do vírus SARS-CoV-2 em modelos animais: as variantes Alfa, Delta e Ómicron.

O estudo, publicado na revista científica iScience, “reforça” outras investigações ao mostrar que as variantes do SARS-CoV-2 “têm um papel importante na severidade da doença [covid-19] e que a severidade tem vindo a diminuir com a evolução natural do vírus”.

Citada no comunicado, a investigadora Margarida Saraiva esclarece que o pulmão foi, inicialmente, o “órgão alvo” do estudo e que a equipa verificou que “os danos no tecido provocados pelas variantes Alfa e Delta são substanciais e acompanhados por uma resposta imune mais agressiva”.

“No entanto, com a variante Ómicron existe um alívio da resposta imunitária pulmonar”, observa a investigadora.

A par do pulmão, os investigadores decidiram estudar outros órgãos, tendo percebido que, nas infeções mais severas – causadas pela variante Alfa – o “timo é muito afetado, sofrendo uma atrofia”.

“Isto significa que a sua função, ligada às células do sistema imune chamadas linfócitos T, que combatem as infeções, poderá ficar condicionada na fase pós-covid-19”, nota.

Além do pulmão e do timo, a equipa analisou também a medula óssea e concluiu que nos casos das infeções com as variantes Alfa e Delta – “há um produção excessiva de células mieloides” (células com potencial patológico).

“A medula óssea é tão mais afetada quanto maior for a severidade da infeção, provavelmente amplificando essa severidade”, refere.

Margarida Saraiva destaca que o impacto da infeção “ultrapassa o pulmão” e que tal “deve ser tido em conta ao definir terapias para responder a infeções graves causadas pelo SARS-CoV-2” por forma a “tentar acelerar a recuperação do paciente”.

A investigação, que contou com a colaboração de outros grupos de investigação do i3S e da Immunethep, foi financiada pela British Society for Antimicrobial Chemotherapy (BSAC).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights