Aumenta insegurança alimentar com 258 milhões de pessoas a necessitar de ajuda de emergência

3 de Maio 2023

A insegurança alimentar agravou-se em 2022, com 258 milhões de pessoas em 58 países a necessitar de ajuda de emergência, contra 193 milhões no ano anterior, alertaram esta quarta-feira várias agências da ONU.

O aumento deve-se a conflitos, crises económicas e catástrofes climáticas, segundo o sétimo Relatório sobre a Crise Alimentar Mundial elaborado por uma rede de 17 agências, segundo a agência francesa AFP.

“É uma acusação contundente do fracasso da humanidade em fazer progressos no sentido da eliminação da fome, o segundo objetivo de desenvolvimento sustentável da ONU”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, numa introdução ao relatório.

A insegurança alimentar aguda está a aumentar pelo quarto ano consecutivo, com milhões de pessoas a “sofrer de uma fome tão grave que ameaça diretamente as suas vidas”, lê-se no documento.

“Este é um quadro muito preocupante”, disse o diretor do Gabinete de Emergências e Resiliência da FAO, Rein Paulsen, citado pela agência espanhola EFE.

A rede que elaborou o relatório inclui a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Programa Alimentar Mundial (PAM) e a União Europeia (UE).

O relatório inclui mais cinco países com insegurança alimentar do que em 2021, o que ajuda a aumentar o número de pessoas afetadas.

A insegurança alimentar aguda “continua a ser inaceitavelmente elevada”, em particular na República Democrática do Congo (RDC), na Etiópia, no Afeganistão, na Nigéria e no Iémen, segundo os autores do relatório.

“Os conflitos continuam a ser o principal motor das crises alimentares”, disse a FAO num resumo do relatório, mas as crises económicas, ligados à pandemia de Covid-19 e ao impacto da guerra na Ucrânia, pesaram mais em alguns países em 2022.

Os fenómenos meteorológicos extremos ligados às alterações climáticas, como a seca histórica no Corno de África ou as inundações devastadoras no Paquistão, são também causas importantes do aumento da insegurança alimentar.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights