SPP defende diagnóstico precoce e rastreio ao cancro do pulmão

31 de Julho 2023

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) considera que o diagnóstico precoce e o rastreio ao cancro do pulmão são fundamentais para aumentar a sobrevivência do terceiro tipo de cancro mais frequente em Portugal e o que mais mata.

Em comunicado, a propósito do Dia Mundial do Cancro do Pulmão que se assinala na terça-feira, a SPP faz um alerta sobre os sintomas do cancro do pulmão e sublinha a importância do diagnóstico precoce pelo impacto na diminuição da mortalidade.

“[O rastreio] é recomendável a indivíduos entre os 50 e os 75 anos com um consumo de tabaco superior a 20 unidades/maço-ano e antigos fumadores há menos de 10 anos”, defendem Gabriela Fernandes e Margarida Dias, médicas pneumologistas da SPP, citadas no comunicado divulgado hoje.

Mas a SPP recorda que apesar de o consumo de tabaco ser a principal causa associada a esta doença, há uma percentagem de cerca de 15% dos doentes que é não fumadora, pelo que o diagnóstico precoce pode ficar comprometido.

“Pode verificar-se um atraso no diagnóstico. De um modo geral, os programas de rastreio não incluem esses fatores e, além disso, a população não está tão alerta para a possibilidade dessa ocorrência”, acrescentam as pneumologistas.

Gabriela Fernandes e Margarida Dias indicam que a suspeita deve basear-se sempre na presença de fatores de risco, pelo que além do consumo de tabaco devem ser valorizados fatores como a exposição passiva ao tabaco, exposição a radão (em algumas zonas geográficas e profissões), exposições ocupacionais e historial familiar.

As especialistas destacam que “sintomas respiratórios prolongados – como tosse, expetoração e expetoração com sangue –, sintomas constitucionais para os doentes com doenças respiratórias prévias e modificação dos sintomas preexistentes” são alguns dos sinais aos quais também os profissionais de saúde, nomeadamente dos cuidados de saúde primários, devem estar atentos.

A SPP defende, por fim, uma abordagem “sempre multidisciplinar, atendendo à complexidade crescente que a doença exige”, considerando “nucleares” as especialidades de pneumologia, oncologia, radiologia, cirurgia torácica, anatomia patológica, bem como os cuidados paliativos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights