APDP promove debate entre jovens sobre vantagens e desvantagens da tecnologia no tratamento

29 de Agosto 2023

A Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) anunciou esta terça-feira que, entre os 3 e 8 de setembro, um conjunto de jovens com diabetes irão juntar-se no Parque de Campismo de Montargil para partilharem as suas experiências sobre o tratamento da doença.

A APDP lançou uma nova edição do seu Campo de Férias anual. Em comunicado, a associação destaca que a iniciativa visa “promover a aceitação da diabetes tipo 1, contribuir para a melhoria da compensação dos valores da doença e reforçar a parte emocional.”

“Através do apoio de 10 profissionais de saúde, incluindo médicos, endocrinologistas e pediatras, enfermeiros, uma psicóloga, uma nutricionista e de seis monitores, os jovens vão aprender a gerir melhor a sua doença através do exercício físico, da alimentação e da otimização das terapêuticas. Além disso, terão oportunidade para partilharem as suas vivências, aprendendo com as dos outros. Tudo isto de uma forma lúdica e apelativa”, lê-se na nota de imprensa.

João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP frisa que “a  diabetes é ainda uma doença pouco compreendida, apesar de todos os esforços que a APDP tem feito e continua a fazer para sensibilizar a população. E, por vezes, a aceitação por parte dos jovens que lidam diariamente com a diabetes tipo 1 pressupõe um longo percurso de autoaceitação.”

A APDP organiza campos de férias para jovens desde 1998. Aprender e ensinar num ambiente descontraído e agradável, com um sistema de suporte entre os jovens e a equipa de educadores, permite enquadrar melhor a diabetes nas suas vidas.

Entre os dias 3 e 8 de setembro, 24 jovens, entre os 13 e os 17 anos, irão juntam-se no Parque de Campismo de Montargil para discutirem as vantagens e desvantagens da tecnologia no tratamento da diabetes.

PR/HN/VC

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

O Valor da Incerteza

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

João Rocha: “Não é possível ter empresas ou hospitais desenvolvidos se não tivermos uma base forte na infraestrutura científica”

“Apenas gostaria de salientar que é necessário investir em ciência no país para que se possa desenvolver investigação de nível internacional. Que esse investimento em ciência aconteça, porque não está a acontecer como devia. (…) Tem de ser uma prioridade porque sem essa prioridade o país não será competitivo no mundo moderno. Não é possível ter empresas ou hospitais desenvolvidos se não tivermos uma base forte na infraestrutura científica”, afirmou o coordenador do Centro Português de Ressonância Magnética Nuclear, entrevistado na sequência da inauguração desta nova infraestrutura da Universidade de Aveiro, que aloja um equipamento único na Península Ibérica que pode ser utilizado na área da saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights