Falta de profissionais nos hospitais do Oeste aumenta tempos de espera

15 de Setembro 2023

O PCP alertou para a falta de profissionais no Centro Hospitalar do Oeste e consequente aumento dos tempos de espera.

“Os problemas que se enfrentam no Serviço Nacional de Saúde [SNS] têm como espelho a falta de acesso ao SNS por parte dos utentes, seja em matéria de atribuição de médico de família, seja em resposta nos serviços de urgência, seja no tempo de espera para consultas médicas de especialidade ou de cirurgias”, lê-se na pergunta entregue na quinta-feira na Assembleia da República, a que a agência Lusa teve hoje acesso.

Tendo em conta a falta de profissionais de saúde, “verifica-se que em muitas situações os tempos máximos de resposta garantidos sejam largamente ultrapassados, quer no que respeita a consultas, quer no que respeita a cirurgias”, lê-se no mesmo requerimento, subscrito pelos deputados João Dias, Duarte Alves e Paula Santos.

Dando o exemplo do CHO, os deputados comunistas alertaram que, na unidade de Caldas da Rainha, as consultas de cirurgia geral têm lista de espera de 181 dias/500 utentes, dermato-venerologia 403 utentes/328 dias e de 81 utentes/224 dias para os que têm prioridade, em ortopedia 980 utentes/326 dias, em otorrinolaringologia 394 utentes/164 dias, em psiquiatria 201 utentes a aguardar prioridade e, entre os prioritários 190 utentes/160 dias.

Já nas consultas da unidade de Torres Vedras, em cardiologia 237 utentes/166 dias, prazo que se encurta para 118 dias nos prioritários, em ginecologia 284 utentes/188 dias, em oftalmologia 393 utentes/152 dias, encurtados para 109 dias para prioritários, em ortopedia 1.555 utentes/296 dias e 17 utentes prioritários/104 dias e em pneumologia 696 utentes/200 dias.

“Estes tempos de espera sucedem mesmo tendo em conta que, para o mesmo período, há um registo de 180.707 horas de trabalho suplementar”, salientam os deputados.

Nas perguntas dirigidas ao ministro da Saúde sobre o CHO, o PCP quis saber quantos lugares previstos no respetivo mapa de pessoal estão por preencher, que necessidades de reforço de recursos humanos estão identificadas e qual a previsão de resposta, que medidas vai tomar para contratar os profissionais de saúde em falta, que medidas vai adotar para formar mais profissionais nas especialidades carenciadas e que especialidades deixaram de estar disponíveis nos últimos 10 anos.

Os comunistas questionaram ainda sobre o número de profissionais e respetivo volume de horas de trabalho que foram ou estão a ser contratadas pelo CHO em regime de prestação de serviços.

O CHO integra os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, tendo uma área de influência constituída pelas populações dos concelhos das Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

Estes concelhos dividem-se entre os distritos de Lisboa e Leiria e representam uma população de cerca de 293 mil pessoas.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Escutismo e Enfermagem: a semente que deu fruto

Lara Cunha, Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica, Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights