Manifestantes contra hospital no Bombarral deixam estudos a António Costa

22 de Outubro 2023

Cerca de duas mil pessoas manifestaram-se hoje em Lisboa contra a localização do novo hospital do Oeste no Bombarral, deixando estudos e pareceres no Palácio de São Bento e prometendo “continuar as ações até serem ouvidos”.

“Hoje foi mais uma etapa num caminho que já dura há algum tempo”, contou à Lusa o presidente da Câmara Municipal de Caldas da Rainha, Vítor Marques, no final da manifestação que começou ao início da tarde com uma concentração em frente à Basílica da Estrela.

Apesar da chuva, “cerca de duas mil pessoas fizeram uma marcha até a residência oficial do primeiro-ministro” em protesto contra o anúncio do ministro da Saúde, Manuel Pizarro, de construir o novo hospital no Bombarral”, relatou o presidente da autarquia que promoveu o protesto.

Os manifestantes defendem que a nova unidade de saúde deve ser construída num terreno entre Caldas da Rainha e Óbidos, garantindo que a sua posição é baseada em vários estudos e pareceres técnicos.

Foram precisamente esses documentos que entregaram na residência oficial do primeiro-ministro, onde deixaram também uma promessa: “Não vamos parar enquanto não formos ouvidos”, disse o autarca independente em declarações à Lusa.

Entre as críticas ao anúncio do ministro da Saúde, Vitor Marques considerou que o “critério do tempo e da distância são muito redutores” e que o terreno escolhido tem “pouco mais de 50 hectares, o que não permitirá uma ampliação no futuro”.

Já a opção defendida pelos manifestantes passa por construir o hospital num terreno entre Caldas e Óbidos, “com 60 hectares, 25 dos quais são terrenos públicos”. Além disso, acrescentou, este hospital ficaria junto ao nó da A8, perto do A15 e do IP6, além de ser contíguo à linha férrea.

Vítor Marques lembrou estatísticas do Serviço Nacional de Saúde que indicam que mais de 75% dos atos médicos praticados nos hospitais são atos programados, salientando assim a importância da escolha de uma localização perto de vias rodoviárias e ferroviárias.

“Um hospital para o Oeste tem que ser integrado naquilo que é a rede hospitalar nacional”, disse ainda Vítor Marques.

O presidente da autarquia acrescentou ainda que o protesto de hoje surgiu após “pedidas várias audiências” a António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa “que nunca foram respondidas”.

Garantindo que vão continuar os protestos, o autarca disse que as próximas ações deverão ser dirigidas novamente ao primeiro-ministro e ao Presidente da República.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

PCP apresenta medidas para “inverter a degradação” do SNS

O PCP apresentou esta sexta-feira algumas medidas urgentes para “inverter a degradação” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), criticando as “políticas de vários governos” de PS, PSD e CDS, que abriram “caminho para a destruição” daquele serviço público.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights