Ministro diz que registo de saúde eletrónico “tem de ser um ato de inteligência”

15 de Novembro 2023

Manuel Pizarro afirmou esta quarta-feira ter uma "visão muito clara" sobre o Registo de Saúde Eletrónico, defendendo que "deve ser centrado no utilizador" e na recolha de "informação relevante". 

O ministro participo hoje na sessão de encerramento da Convenção Nacional da Saúde, promovida na Ordem dos Médicos.

O responsável começou por sublinhar que a incorporação tecnológica no sistema de saúde é “inevitável”. “O tema da digitalização é absolutamente central. Se há alguma coisa que podemos ter a certeza é que evolução tecnológica vai acelerar muito (…) Temos de perceber como é que a digitalização pode ser encaminhada de forma a tirar proveito”.

O responsável pela pasta da Saúde admitiu que, apesar dos esforços do Serviço Nacional de saúde e do aumento no volume da atividade assistencial, Portugal continua sem conseguir satisfazer as necessidades dos doentes.

Por este motivo, reconheceu que a tecnologia pode ter um papel importante. “Precisamos mais tecnologia e digitalização para dar resposta ao problemas da saúde”.

“Este processo não pode ser construído pelo Estado sozinho. Tem de ser feito em parceria comas diferentes intervenientes e parceiros da área da saúde, respeitando as diferentes visões e interesses”, apontou.

Em matéria do registo de saúde eletrónico, Manuel Pizarro garantiu ter uma “visão muito clara”. “Este registo tem de ser centrado no utilizador e não pode ser baseado no sistema ao qual o utente recorre a cada momento. Tem também de estar centrado na partilha de informação por todos os agentes do sistema.”

“Por outro lado, o registo de saúde eletrónico tem de ser uma ato de inteligência. Isto é, não pode ser um lugar de acumulação de todos os dados. Toda a informação é igual a informação nenhuma (…) Ninguém se vai dedicar uma hora à leitura demorada dos diferentes casos clínicos”.

Por esta razão, defendeu que o registo de saúde eletrónico “tem de reunir e preservar a informação mais relevante”. Deverá, por isso, ser usado “da forma mais produtiva e simples possível”.

No final da declaração reforçou que “a digitalização não substitui a reorganização do sistema de saúde”, sublinhando a implementação de reformas como o alargamento das Unidades Locais de Saúde.

HN/Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

João Neto: “A exploração dos dentistas existe no privado e no público”

O presidente do Sindicatos dos Médicos Dentistas alertou que há profissionais a serem explorados, tanto no Serviço Nacional de Saúde, como nas clínicas privadas. João Neto, que diz que a medicina dentária sempre foi “o parente pobre da medicina”, exige a criação de uma carreira especial e o fim da precariedade. Ao HealthNews, o dirigente sindical dá conta de um conjunto de soluções. 

Serviços de urgência a funcionar com limitações na próxima semana

Trinta e três serviços de urgência em todo o país vão estar a funcionar com limitações na próxima semana, verificando-se uma “melhoria real” nas especialidades com constrangimentos, indicou hoje a Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS).

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights