ONU diz que 291 pacientes permanecem no hospital al-Shifa

19 de Novembro 2023

Uma equipa das Nações Unidas disse hoje que 291 pacientes, incluindo 32 bebés em estado crítico, ficaram no hospital al-Shifa, o maior de Gaza, depois de as tropas israelitas terem mandado evacuar o local.

Entre os que ficaram, contam-se, além dos 32 bebés em estado extremamente crítico, doentes traumatizados com feridas gravemente infetadas e outros com lesões na coluna vertebral que não conseguem mover-se.

A equipa pôde visitar o hospital al-Shifa durante uma hora, depois da retirada no sábado de cerca de 2.500 pessoas, pacientes com mobilidade e pessoal médico, informou a Organização Mundial de Saúde, que liderou a missão.

A Organização Mundial da Saúde, que liderou a missão, informou que 25 profissionais de saúde permaneceram no local, juntamente com os pacientes.

“Os pacientes e o pessoal de saúde com quem falaram estavam aterrorizados com a sua segurança e saúde e pediram a retirada”, disse a agência, descrevendo al-Shifa como uma zona de morte.

Segundo a agência, mais equipas tentarão chegar a al-Shifa nos próximos dias para tentar retirar os pacientes para o sul de Gaza, onde os hospitais também estão sobrecarregados.

Há muito que Israel alega que o Hamas mantém um vasto posto de comando dentro e debaixo do hospital al-Shifa.

O hospital é considerado um alvo-chave para Israel pôr fim ao domínio dos militantes em Gaza, na sequência do amplo ataque ao sul de Israel, há seis semanas, que desencadeou a guerra.

O Hamas e o pessoal do hospital negam as alegações.

As tropas israelitas que se encontram no hospital e revistam os seus terrenos há dias dizem ter encontrado pistolas e outras armas, e mostraram aos jornalistas a entrada de um túnel.

A AP afirma que não conseguiu verificar de forma independente as descobertas de Israel.

A partida em massa de sábado foi retratada por Israel como voluntária, mas a OMS disse que os militares tinham emitido ordens de evacuação, e alguns dos que partiram descreveram-na como um êxodo forçado.

“Saímos sob a mira de uma arma”, disse Mahmoud Abu Auf à agência Associated Press, por telefone, depois de ele e a sua família terem abandonado o hospital lotado.

Auf disse que viu as tropas israelitas deterem três homens.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

João Neto: “A exploração dos dentistas existe no privado e no público”

O presidente do Sindicatos dos Médicos Dentistas alertou que há profissionais a serem explorados, tanto no Serviço Nacional de Saúde, como nas clínicas privadas. João Neto, que diz que a medicina dentária sempre foi “o parente pobre da medicina”, exige a criação de uma carreira especial e o fim da precariedade. Ao HealthNews, o dirigente sindical dá conta de um conjunto de soluções. 

Serviços de urgência a funcionar com limitações na próxima semana

Trinta e três serviços de urgência em todo o país vão estar a funcionar com limitações na próxima semana, verificando-se uma “melhoria real” nas especialidades com constrangimentos, indicou hoje a Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS).

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights