Programa de vacinação contra a malária foi alargado em África

22 de Novembro 2023

As primeiras 331.200 doses de vacinas RTS,S contra a malária, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), chegaram terça-feira à noite a Yaoundé, nos Camarões, anunciou esta quarta-feira o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). 

“Este é mais um momento de viragem para as vacinas e o controlo da malária”, pois a sua entrega “a novos países em toda a África oferecerá proteção vital a milhões de crianças em risco de contrair” a doença, disse o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, citado no comunicado de imprensa da UNICEF.

“Prevê-se que mais 1,7 milhões de doses da vacina RTS,S cheguem ao Burkina Faso, Libéria, Níger e Serra Leoa nas próximas semanas, com mais países africanos a receberem doses nos próximos meses”, referiu a UNICEF.

É o primeiro envio das vacinas a um país que não estava envolvido, anteriormente, no programa de implementação da vacina contra a malária (MVIP), o que marca o início da expansão da vacinação contra a doença nas áreas de maior risco no continente africano, segundo o comunicado da UNICEF.

O MVIP é coordenado pela OMS em colaboração com a UNICEF e outros parceiros, e financiado pela Gavi (Aliança das Vacinas), pelo Fundo Global e pela Unitaid (uma iniciativa global de saúde), com doses doadas pela GSK, o fabricante da vacina RTS,S.

Mais de dois milhões de crianças foram vacinadas no Gana, Quénia e Maláui através do MVIP, desde 2019, o que resultou numa diminuição de 13% na mortalidade, por todas as causas, em crianças com idade elegível para receber a vacina, e em reduções substanciais na doença grave e nas hospitalizações por malária.

Em 2021, registaram-se 247 milhões de casos de malária em todo o mundo, que resultaram em 619.000 mortes. Destas, 77% eram crianças com menos de cinco anos de idade, principalmente em África, de acordo com a UNICEF.

A prevalência da malária é mais elevada no continente africano, que representou aproximadamente 95% dos casos de malária a nível mundial e 96% das mortes relacionadas em 2021.

Quando se introduz uma nova vacina, são necessárias algumas preparações, segundo explicou a UNICEF, tais como: a formação de profissionais de saúde, o investimento em infraestruturas, a capacidade técnica, o armazenamento de vacinas, o envolvimento e procura da comunidade, e a integração da implementação em paralelo com a administração de outras vacinas e intervenções de saúde.

A administração da vacina contra a malária tem o desafio adicional de serem necessárias quatro doses, o que requer um planeamento cuidadoso para a sua eficácia estar garantida, de acordo com a agência da ONU.

A OMS recomendou uma segunda vacina contra a malária – a R21, fabricada pelo Serum Institute of India (SII), que, segundo o ensaio clínico, reduz a malária nas crianças, mas ainda está em fase de “pré-qualificação”. ​​​​​​​

“A vacina é uma adição vital ao conjunto existente de ferramentas de prevenção da malária e ajudará os nossos esforços para inverter a tendência crescente de casos e reduzir ainda mais as mortes”, disse a diretora regional da OMS para África, Matshidiso Moeti.

Em preparação para a vacinação em grande escala, a Gavi, a OMS, a UNICEF e os parceiros estão a trabalhar com os países que manifestaram interesse e/ou confirmaram planos de implementação sobre os próximos passos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights