Estudo da UC ajuda a desvendar estratégias do cérebro

5 de Dezembro 2023

 Um estudo científico liderado pela Universidade de Coimbra (UC) concluiu que as pessoas quando pensam em objetos têm o espaço mental organizado em dimensões, que ajudam o cérebro a reconhecer e a organizar informação sobre eles.

“Quando percecionamos o que está à nossa volta vamos colocando o que vemos dentro de um espaço mental multidimensional. É desta forma que organizamos a informação no cérebro”, explicou o cientista Jorge Almeida, que liderou a investigação, citado em comunicado enviado à agência Lusa.

“Isto significa que, quando reconhecemos um objeto ou o distinguimos de um outro, o que fazemos é navegar neste espaço mental multidimensional e assim distinguir as várias entradas (ou seja, objetos) neste espaço”.

Esta descoberta “permite prever o comportamento humano face a objetos e explicar as respostas neuronais do cérebro a esse comportamento”, afirmou o investigador, que também dirige o ‘Proaction Lab’ do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental.

O estudo contou com 400 participantes, entre os 18 e os 41 anos, aos quais foram mostrados 80 objetos de uso comum, como, por exemplo, ferramentas – berbequim ou uma chave inglesa e objetos diversos, como um apito ou uma bola de basquetebol.

Os participantes desenvolveram tarefas comportamentais e sessões de ressonância magnética funcional, tendo sido pedido, entre outras coisas, que julgassem a semelhança de vários objetos, nomeadamente o seu aspeto (como o material de que é feito ou a sua forma), a sua função (para que é usado) e a forma como são manipulados (quais os movimentos que são feitos para interagir com eles).

Com este estudo, intitulado ‘Neural and behavioral signatures of the multidimensionality of manipulable object processing’, a equipa de investigação avança com novos contributos para o conhecimento do cérebro, em particular sobre o processo de reconhecimento de objetos “que, embora aparentemente simples, é extremamente complexo”, de acordo com os investigadores.

“Acreditamos que é esta estratégia de organização que nos ajuda a navegar no mundo, esta multidimensionalidade na forma como identificamos objetos. Claro que esta forma de organizar informação pode ser aplicada a outros conceitos, como é o caso de rostos, animais ou até alimentos”, frisou Jorge Almeida.

O estudo, publicado na revista científica ‘Communications Biology’, do grupo da Nature, foi financiado pelo Conselho Europeu de Investigação, no âmbito do ContentMAP – o primeiro projeto científico português da área da psicologia a conquistar apoio daquele organismo.

A investigação – que procurou mapear a organização do conhecimento de objetos no cérebro, um passo essencial para compreender a forma como os reconhecemos de forma rápida e eficaz – contou também com a participação de uma equipa de investigadores das Universidades de Aberdeen e Glasgow (Reino Unido).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

708 novos dadores na região do Médio Tejo em 2023

O Serviço de Imuno-Hemoterapia da Unidade Local de Saúde do Médio Tejo (ULS Médio Tejo) colheu, durante os 12 meses de 2023, 6.083 dádivas de sangue nas suas três unidades hospitalares. Foram 708 os novos dadores da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights