Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa vai ter nova administração nos próximos dias

13 de Dezembro 2023

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), que engloba os hospitais de Penafiel e Amarante, vai ter nos próximos dias um novo conselho de administração (CA), disse à Lusa o presidente cessante Carlos Alberto Silva.

“Fui informado pela tutela dessa situação que acontecerá nos próximos dias”, avançou o gestor, referindo não ter ainda “a indicação da data em concreto”, desconhecendo também o seu sucessor.

Carlos Alberto Silva, que está no cargo desde 2016, referiu que a substituição do CA ocorre no âmbito da recém-criada Unidade Local de Saúde (ULS) do Tâmega e Sousa que assumirá a gestão dos hospitais públicos e dos centros de saúde daquele território formado por 12 municípios.

“Apesar da frustração e desilusão de não ter a possibilidade de concretizar no terreno este projeto da ULS, tão desafiante, exigente e ambicioso, saio com a consciência do dever cumprido”, acrescentou.

Agradecendo a colaboração que recebeu ao longo dos anos, à frente do CHTS, de instituições e pessoas individuais, avançou que vai regressar ao mercado do trabalho “em busca de novo projeto profissional”, por não ter vínculo à administração pública.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights