Lúcio Meneses de Almeida Médico Assistente Graduado de Saúde Pública Presidente do Conselho Nacional de Ecologia e Promoção da Saúde da Ordem dos Médicos

Velhice, envelhecimento e promoção da saúde

12/14/2023

Os problemas de saúde individual implicam uma intervenção centrada na pessoa e nas suas necessidades específicas. Já os problemas de saúde pública, afetando uma proporção significativa da população, caraterizam-se por um elevado impacte social e económico – que transcende, em muito, os custos (diretos) de tratamento da doença.

A capacidade de um problema de saúde ser influenciado favoravelmente, em função dos recursos disponíveis, é outro dos critérios de priorização, relativamente aos problemas identificados numa comunidade ou numa população.

Intervir em Saúde Pública implica concertar esforços, visando objetivos estabelecidos em função de necessidades reais. Trata-se de um desiderato incompatível com intervenções espúrias e primariamente narcisistas.

O envelhecimento demográfico é uma das maiores conquistas da Saúde Pública Global; mas é, simultaneamente, um dos seus maiores desafios. Em consistência com a célebre lei de Pareto, uma maior prevalência de idosos traduz-se por um maior consumo de cuidados de saúde.

Não basta, no entanto, aumentar a capacidade de resposta dos serviços de saúde, nem tão pouco assegurar a sua dotação em determinadas áreas clínicas diferenciadas; há, primariamente, que promover a saúde ao longo de todo o ciclo de vida, privilegiando, pelos seus ganhos potenciais, as fases mais precoces.

Promover o envelhecimento ativo e saudável (“healthy ageing”) não é sinónimo de promover uma velhice saudável (“healthy old age”): o primeiro é um processo, que começa na infância ou mesmo na gestação; o último corresponde à etapa final do ciclo vital – menos “moldável” e, por consequência, com um potencial de ganhos em saúde muito inferior.

Desta forma, o envelhecimento ativo e saudável deverá contemplar, como settings e públicos-alvo, maternidades, creches, jardins-escola, estabelecimentos de todos os graus de ensino e a população ativa (“quem vai ser”), em vez de se limitar ao grupo etário dos idosos (“quem é”).

Importa não esquecer programas nacionais de saúde, como o de saúde escolar, nem os serviços do SNS responsáveis pela proteção e promoção da saúde das populações. Destacam-se, no que a estes últimos diz respeito e a nível local, as unidades de saúde pública.

É que para intervir, de forma efetiva, perante o desafio do envelhecimento demográfico, não basta “prevenir para não remediar”: há que ter em conta que “de pequenino é que se torce o pepino” …

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights