Filipa Couto: PR & Influencer Marketing Manager, PhD Candidate in Strategic Communication, Health Communication Specialist

A Importância da Comunicação Médico-Utente: Um Pilar Fundamental na Prática Clínica

02/06/2024

A relação entre médico e utente é um dos pilares fundamentais da prática clínica. No entanto, essa relação vai muito além do diagnóstico e tratamento das doenças, a comunicação desempenha um papel crucial nesse contexto. A troca de informações, a empatia e o suporte emocional são elementos essenciais para garantir uma assistência de qualidade e promover o bem-estar do utente.

A comunicação eficaz entre médico e utente é fundamental para estabelecer uma relação de confiança mútua. Quando os utentes se sentem ouvidos e compreendidos, tornam-se mais propensos a seguir as indicações médicas e a aderir aos tratamentos prescritos. Além disso, uma comunicação clara e transparente contribui para diminuir a ansiedade e o medo associados ao desconhecido, proporcionando ao utente uma sensação de controlo sobre a sua própria saúde.

A empatia é outro elemento-chave na comunicação médico-utente. Os médicos que demonstram empatia conseguem compreender as preocupações e os sentimentos dos seus pacientes, criando um ambiente de apoio e compreensão. Essa ligação emocional fortalece a relação terapêutica e promove o bem-estar psicológico do utente, o que pode ter um impacto positivo no processo de recuperação.

Além disso, a comunicação eficaz permite uma troca de informações mais clara e precisa. Quando os médicos explicam de forma acessível os diagnósticos, prognósticos e opções de tratamento, os utentes estão mais aptos a tomar decisões informadas sobre a sua saúde. Essa autonomia na tomada de decisão é essencial para garantir que os utentes se sintam capacitados e envolvidos no seu processo de cuidado.

Sabemos que uma comunicação deficiente pode ter consequências negativas para a saúde do utente. A falta de informação ou uma comunicação pouco clara podem levar a mal-entendidos, aumentar a ansiedade e contribuir para a insatisfação do utente em relação ao seu cuidado de saúde. Além disso, uma comunicação falhada pode dificultar o estabelecimento de um diagnóstico preciso e a implementação de um plano de tratamento eficaz.

É importante reconhecer que a comunicação médico-utente não se resume apenas à transmissão de informações clínicas. Envolve também a capacidade de ouvir atentamente, de responder às preocupações e perguntas dos utentes e de adaptar a mensagem às suas necessidades individuais. Os médicos devem estar cientes da importância da linguagem não verbal, do tom de voz e da postura corporal na comunicação eficaz com os seus utentes.

Assim, a comunicação entre médico e utente é uma componente essencial da prática clínica. Uma comunicação eficaz, baseada na empatia, na transparência e na colaboração, fortalece a relação terapêutica, promove a adesão ao tratamento e melhora os resultados de saúde dos utentes. Portanto, é fundamental que os profissionais de saúde invistam na melhoria das suas competências comunicativas, reconhecendo o seu papel central na prestação de cuidados de saúde de qualidade.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights