Dr. Miguel Afonso Gastroenterologista

Fígado gordo e obesidade

02/09/2024

O fígado gordo (DHGNA) é uma doença silenciosa, sendo a principal causa de doença do fígado no Mundo Ocidental e está associada à obesidade em cerca de 70% das pessoas com obesidade.

Estudos epidemiológicos demonstraram a progressão da acumulação de gordura no fígado para cirrose e cancro. O fígado gordo precede o início da resistência à insulina e está associada à progressão para diabetes tipo 2. Vários estudos mostraram efeitos benéficos da cirurgia bariátrica em pacientes com fígado gordo.

Portanto, a acumulação de gordura no fígado pode ser metabolicamente prejudicial à saúde. Além das complicações metabólicas, os pacientes obesos com fígado gordo podem desenvolver inflamação crónica do fígado (esteato-hepatite) e nalguns casos até cirrose com necessidade de transplante hepático. A cirrose hepática associada ao fígado gordo está a emergir como uma das principais causas de transplante de fígado. Por estas razões, o fígado gordo está a ser considerado como uma questão de saúde pública.

A opção terapêutica mais eficaz para prevenir o início e a progressão desta doença é adotar um estilo de vida saudável. No entanto, apenas alguns pacientes aderem às mudanças no estilo de vida e por vezes pode ser difícil manter um estilo de vida saudável a longo prazo.

Nos últimos anos, as terapias endoscópicas bariátricas e metabólicas surgiram como alternativas eficazes, menos invasivas e mais seguras para o tratamento da obesidade e diabetes tipo 2. Estudos observacionais demonstraram efeitos benéficos destas terapêuticas na gravidade da doença do fígado gordo, avaliada por parâmetros não invasivos como o Fibroscan.

O Fibroscan é um exame não invasivo, que permite diagnosticar o fígado gordo e sinalizar os pacientes em risco de desenvolver cirrose do fígado.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights