Estão as toxinas ambientais a pôr em risco as gerações futuras?

10 de Fevereiro 2024

Estudo revela uma ligação entre a exposição prolongada ao DDT e as alterações no epigenoma do esperma. Estas alterações correspondem a um aumento das taxas de malformações congénitas e de doenças, incluindo perturbações do neurodesenvolvimento e do metabolismo

Num estudo que assinala potenciais complicações reprodutivas e de saúde nos seres humanos, agora e para as gerações futuras, investigadores da Universidade McGill, da Universidade de Pretória, da Universidade Laval, da Universidade de Aarhus e da Universidade de Copenhaga concluíram que os pais expostos a toxinas ambientais, nomeadamente o DDT, podem produzir esperma com repercussões na saúde dos seus filhos.

O projeto de investigação, com a duração de uma década, examinou o impacto do DDT no epigenoma do esperma de homens Vhavenda da África do Sul e Inuit da Gronelândia, alguns dos quais vivem no Norte do Canadá.

O estudo, publicado na revista Environmental Health Perspectives, demonstra uma ligação entre a exposição prolongada ao DDT e as alterações no epigenoma do esperma. Estas alterações, nomeadamente nos genes vitais para a fertilidade, o desenvolvimento embrionário, o neurodesenvolvimento e a regulação hormonal, correspondem a um aumento das taxas de malformações congénitas e de doenças, incluindo perturbações do neurodesenvolvimento e do metabolismo.

“Identificámos regiões do epigenoma do esperma que estão associadas aos níveis séricos de DDE (substâncias químicas que se formam quando o DDT se decompõe) e esta associação segue uma tendência de dose-resposta. Penso que isso é bastante surpreendente, na medida em que quanto maior for a exposição ao DDE, maior será a cromatina ou os defeitos de metilação do ADN no esperma”, afirmou Ariane Lismer, a principal autora do estudo, que concluiu o trabalho enquanto fazia o seu doutoramento no Departamento de Farmacologia e Terapêutica da McGill.

“Demonstrámos que a resposta do epigenoma do esperma à exposição a toxinas pode estar ligada a doenças na geração seguinte”, afirmou Sarah Kimmins, que liderou a investigação como professora de Farmacologia e Terapêutica na McGill e professora no Departamento de Patologia e Biologia Celular da Universidade de Montreal. “Este é um novo passo fundamental para o campo porque, embora existam muitos estudos em animais que demonstram os efeitos das toxinas no epigenoma do esperma, os estudos em seres humanos não o demonstraram de forma abrangente”.

Malária, alterações climáticas e o “efeito gafanhoto

Apesar da proibição mundial do DDT para proteger os seres humanos e o ambiente dos seus efeitos, o governo sul-africano tem uma autorização especial para o utilizar como inseticida para controlar a malária. Nalgumas zonas, os interiores das casas são revestidos com a toxina. As conclusões do estudo sublinham a urgência de encontrar formas alternativas de controlar a malária e outras doenças transmitidas por vetores.

“A realidade é que as pessoas, especialmente as crianças pequenas e as mulheres grávidas, continuam a morrer de malária. Não podemos permitir que as pessoas das regiões onde a malária é endémica recusem a pulverização das suas casas, pois isso aumentará o risco de contraírem malária”, afirma Tiaan de Jager, decano da Faculdade de Ciências da Saúde e professor de Saúde Ambiental na Escola de Sistemas de Saúde e Saúde Pública da Universidade de Pretória.

Além disso, o número de pessoas e animais expostos ao DDT está a aumentar devido às alterações climáticas. O DDT pode percorrer grandes distâncias através do chamado “efeito gafanhoto”, evaporando-se com o ar quente e regressando à Terra com a chuva e a neve nas regiões mais frias, onde persiste na cadeia alimentar do Ártico.

Repensar o papel do pai no desenvolvimento da criança

Os resultados também sublinham a importância de ter em conta os pais nos debates sobre a saúde e o desenvolvimento das crianças. Embora seja comummente aceite que as mulheres devem evitar a exposição a contaminantes ambientais durante a gravidez, tem sido dada menos atenção à forma como as toxinas afetam os pais.

“Tendemos a pensar que tudo o que os pais têm de fazer é fertilizar. Mas, na verdade, esquecemo-nos que metade do genoma e do epigenoma provém dos pais e a outra metade das mães. O que esse epigenoma faz no desenvolvimento embrionário é fundamental para o desenvolvimento normal”, afirma a coautora do estudo, Janice Bailey, diretora científica do Fonds de Recherche du Québec en Nature et Technologies (FRQNT).

Embora o estudo se concentre na exposição ao DDT, os investigadores afirmam que não é um salto sugerir que a exposição a desreguladores endócrinos domésticos mais comuns, como os encontrados em cosméticos e artigos de higiene pessoal, pode atuar de forma semelhante.

Bibliografia: Lismer, A., Shao, X., Dumargne, M. C., Lafleur, C., Lambrot, R., Chan, D., … & Kimmins, S. (2024). The association between long-term DDT or DDE exposures and an altered sperm epigenome—a cross-sectional study of Greenlandic Inuit and South African VhaVenda men. Environmental Health Perspectives, 132(1), 017008. https://doi.org/10.1289/EHP12013

NR/HN/AlphaGalilleo

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights