Leucemia mieloide aguda: Investigadores querem melhorar sobrevivência de doentes

21 de Fevereiro 2024

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) vão procurar novos tratamentos para melhorar a sobrevivência dos doentes com leucemia mieloide aguda, focando o estudo no papel do microambiente da medula óssea na progressão da doença.

Em comunicado, o instituto da Universidade do Porto esclarece hoje que o objetivo dos investigadores passa por estudar o papel do microambiente da medula óssea na progressão e recidiva da doença, mas também desenvolver novos tratamentos.

A leucemia mieloide aguda é uma forma de cancro do sangue rara que decorre da mutação de células que residem na medula óssea.

A evolução da doença, que é mais comum em adultos, embora afete pessoas de todas as idades, é rápida e agressiva, estando associada a uma elevada taxa de mortalidade.

Um dos principais problemas da leucemia mieloide aguda passa pela persistência da doença após o tratamento de quimioterapia, levando à recidiva.

A investigação, liderada pelo médico e investigador Delfim Duarte e que foi recentemente financiada pela Wordwide Cancer Research, em 235 mil euros, irá decorrer nos próximos três anos com o propósito de “encontrar novos tratamentos para melhorar a sobrevivência dos doentes”.

Para tal, os investigadores vão debruçar-se sobre as células da medula óssea que não produzem células sanguíneas, mas que fornecem um microambiente que permite que estas se formem.

“Estudos prévios mostram que estas células [do estroma da medula óssea] que constituem o microambiente da medula óssea promovem o crescimento e suportam a sobrevivência das células malignas”, refere o investigador.

No estudo, vão ser usadas técnicas inovadoras de microscopia, modelos pré-clínicos de animais de leucemia mieloide aguda e amostras de doentes para identificar “com precisão” a identidade das células do microambiente.

“O objetivo será caracterizar esse microambiente na fase inicial da doença e na recidiva”, afirma o i3S, acrescentando que, posteriormente, a equipa vai manipular os fatores para desenvolver novos tratamentos.

Delfim Duarte acrescentou que os investigadores “vão utilizar modelos genéticos animais para manipular os fatores identificados e dessa forma inibir a proteção do microambiente.

“Posteriormente, e com base nos resultados obtidos, serão testados novos tratamentos farmacológicos para que possam ter aplicação clínica no futuro”, concluiu o investigador.

O trabalho será desenvolvido em colaboração com o Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, no âmbito do Porto Comprehensive Cancer Centre Raquel Seruca.

lusa/hn

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights