OE admite tomar medidas em resposta a recomendação sobre regulamento disciplinar

29 de Fevereiro 2024

A Ordem dos Enfermeiros (OE) anunciou esta quinta-feira que está a analisar a recomendação da Provedora da Justiça sobre alteração do regulamento disciplinar, manifestando-se disponível para fazer melhorias nos seus procedimentos e tomar medidas adequadas.

“A OE recebeu a recomendação da senhora Provedora de Justiça [Maria Lúcia Amaral], encontrando-se a analisar o conteúdo e alcance do documento, a fim de se poder pronunciar, já que não lhe foi concedida a possibilidade de o fazer antes”, afirma a OE numa resposta escrita à agência Lusa.

Em causa está uma disposição legal prevista no Regulamento Disciplinar da Ordem dos enfermeiros há alguns anos.

A recomendação de Maria Lúcia Amaral surge na sequência de uma queixa recebida pela Provedoria de Justiça referente ao regulamento disciplinar da Ordem dos Enfermeiros, que proíbe a presença do advogado do arguido, do denunciante, do queixoso ou do participante na inquirição de testemunhas que ocorra na fase de defesa do processo disciplinar.

“Embora as normas de regulamentação aprovadas por ordens profissionais possam ser restritivas de direitos fundamentais, há limites constitucionais e legais que, se ultrapassados, determinam a censura jurídica de tais normas”, refere o texto da recomendação.

A Ordem dos Enfermeiros defende na resposta à Lusa que “o exercício do poder disciplinar pela OE nos últimos anos tem-se revelado eficiente e objeto de elogios pela gestão dos processos e celeridade, pela prática e soluções jurídicas adequadas e uma conformidade legal e constitucional das normas aplicáveis e, ainda, ao nível da colaboração institucional com os Tribunais”.

No entanto, afirma que se encontra “sempre aberta a fazer melhorias nos seus procedimentos e, em consequência, não deixará de tomar as medidas que se mostrarem adequadas”.

A Provedora de Justiça entende que a norma que implica a restrição do acompanhamento por advogado e de defesa do arguido em processo disciplinar põe em causa “diversos limites legais e constitucionais e que ”os benefícios da norma em causa para a celeridade [do processo] não compensam os respetivos custos para os direitos de defesa do arguido”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights