Região europeia da OMS registou mais 7.000 mortes por tuberculose na pandemia

21 de Março 2024

A região europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS) registou mais 7.000 mortes do que expectável por tuberculose entre 2020 e 2022, em resultado da deterioração dos esforços de diagnóstico e tratamento durante a pandemia de covid-19.

De acordo com o relatório de vigilância e monitorização da tuberculose do Gabinete Regional da OMS para a Europa e do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, na sigla em inglês) divulgado hoje, a quatro dias do Dia Mundial da Tuberculose, o aumento da mortalidade foi um resultado direto da pandemia e de uma interrupção dos esforços de diagnóstico e tratamento da doença.

Por outro lado, em 2022, registaram-se mais casos de tuberculose na região europeia da OMS – que abrange 53 países, incluindo os 27 estados-membros da União Europeia – com mais de 170 mil notificações reportadas pelos países nesse ano, face aos 166 mil do ano anterior.

A OMS e o ECDC referem, em comunicado, que este aumento pode ser um indicador positivo de que, em muitos países, os serviços já estão a recuperar dos efeitos da pandemia e que mais pessoas estão a ser diagnosticadas e tratadas.

O relatório aponta ainda outra tendência que preocupa os especialistas, por indicar que a prevalência da tuberculose resistente aos medicamentes continua a aumentar.

Os dados do relatório revelam que apenas sete em cada 10 tratamentos com recurso a fármacos de primeira linha tiveram sucesso, a taxa mais baixa registada na última década e, possivelmente, um sinal de lacunas na monitorização dos resultados do tratamento e de problemas com a adesão dos doentes ao tratamento.

“Se planeado e cumprido de forma adequada, o tratamento da tuberculose deve ter sucesso em, sensivelmente, nove em cada 10 pacientes”, refere o relatório.

Entre os doentes infetados com tuberculose e o vírus da imunodeficiência humana (HIV), apenas 48% dos pacientes que iniciaram o tratamento em 2021 é que ficaram curados.

No ano passado, o Gabinete Regional da OMS para a Europa anunciou um plano de ação para a tuberculose, em que fixa o objetivo de erradicar a doença até 2030. No entanto, cumprir essa meta implica um reforço dos esforços de diagnóstico e tratamento, referem os especialistas.

“No rescaldo da pandemia de covid-19, ainda temos um longo caminho pela frente (…). O reforço atempado da prevenção, da testagem e do tratamento são elementos-chave na luta contra a tuberculose e quaisquer atrasos traduzem-se em mais sofrimento e morte”, sublinha a diretora do ECDC, Andrea Ammon, citada em comunicado.

Também o diretor-geral regional da OMS para a Europa, Hans Henri Kluge, apela às autoridades nacionais dos estados-membros que “reforcem os programas de testagem, diagnostiquem atempadamente e que apliquem as recomendações mais recentes”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights