Sara Cerdas distinguida como eurodeputada “em ascensão” pela The Parliament Magazine

25 de Março 2024

Sara Cerdas foi distinguida como uma das eurodeputadas em ascensão, “Rising Starts” (“Estrelas em Ascensão”, em português), pela The Parliament Magazine. A equipa da revista elegeu 20 eurodeputados que, na sua perspetiva, terão um papel vital durante o próximo mandato.

Para Sara Cerdas, a distinção reflete o trabalho e a dedicação em prol das causas europeias e dos europeus ao longo do seu mandato no Parlamento Europeu, em áreas fundamentais como a Saúde, o Ambiente, a Proteção Civil, entre outras.

“Quando iniciei o mandato assumi a missão de representar e trabalhar pela presença de Portugal e das regiões autónomas no Parlamento Europeu, em diálogo constante com cidadãos e instituições. O foco foi sempre fazer mais e melhor pelos cidadãos europeus – e em especial pelos portugueses. Esta distinção é um reconhecimento pelo empenho, compromisso e dedicação, meu e da minha equipa, ao longo destes quase cinco anos”, afirma a eurodeputada do PS.

No âmbito dos prémios da The Parliament Magazine, Sara Cerdas estava nomeada para Eurodeputada do Mandato. Os MEP Awards são uma iniciativa anual que visa reconhecer o trabalho dos membros do Parlamento Europeu em diversas áreas. A edição deste ano reconheceu aqueles que mais se destacaram no mandato 2019-2024.

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights