APCP aposta na promoção da literacia em Cuidados Paliativos através do Prémio Reportagem

30 de Março 2024

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) reafirma o seu compromisso com a promoção da literacia em cuidados de saúde ao lançar a primeira edição do Prémio Reportagem em Cuidados Paliativos. As candidaturas terminam a 30 de setembro de 2024 e a submissão dos trabalhos deve ser realizada no site oficial da APCP.

Num esforço contínuo para incentivar a produção de trabalhos jornalísticos dedicados aos Cuidados Paliativos, a APCP destaca a importância do papel dos meios de comunicação social na sensibilização da sociedade para estes cuidados.

A iniciativa visa desconstruir mitos e esclarecer a comunidade sobre o papel vital dos Cuidados Paliativos no contexto do Serviço Nacional de Saúde (SNS). A APCP pretende distinguir nestes trabalhos a comunicação da realidade das pessoas com doenças complexas, dos seus familiares e dos profissionais que atuam nos Cuidados Paliativos.

O prémio abrange cinco categorias: Imprensa, Rádio, Televisão, Digital e Estudante Universitário, refletindo a diversidade de formatos que podem contribuir para a disseminação de informações sobre cuidados paliativos.

“Acreditamos que a promoção da literacia em Cuidados Paliativos é fundamental para uma sociedade mais informada e compreensiva. Este prémio é uma ferramenta valiosa para incentivar a reflexão e o diálogo sobre o tema. Convidamos os jornalistas e estudantes de Comunicação Social a participarem ativamente, submetendo os seus trabalhos e contribuindo para a construção de uma narrativa mais abrangente e esclarecedora sobre os Cuidados Paliativos em Portugal”, destaca a Enfermeira e Presidente da APCP Catarina Pazes.

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights