cuidados paliativos
Cristina Galvão: Médicos de família “têm tempo para fazer serviço de urgência”, “mas não há essa disponibilidade para as equipas de cuidados paliativos”

Cristina Galvão: Médicos de família “têm tempo para fazer serviço de urgência”, “mas não há essa disponibilidade para as equipas de cuidados paliativos”

Nem todos os doentes morrem com dignidade em Portugal: demasiados continuam a morrer nas urgências e não têm acesso a cuidados paliativos adequados e atempados; centenas de lares foram encerrados pela Segurança Social nos últimos anos; o trabalho burocrático prejudica a relação médico-doente. Por todo o país, as equipas de cuidados paliativos “estão a passar por uma fase complexa por terem médicos dos cuidados de saúde primários que querem trabalhar nas equipas mas a quem não é dada dispensa de parte do horário para fazer esse trabalho que aliviaria muito quer os centros de saúde quer os serviços de urgência”; nos lares, os trabalhadores pedem formação. O HealthNews conversou com a especialista Cristina Galvão sobre paliativos, sobretudo na Medicina Geral e Familiar, nas ERPI e na sua Equipa Beja+, para mostrar aos leitores do que se trata e o que se passa em Portugal, na perspetiva de quem está no terreno diariamente.

Hospital de Chaves com investimentos de 12,5 milhões de euros

O Hospital de Chaves dispõe de uma nova unidade de hemodiálise, inaugura em junho os cuidados paliativos e avança em breve com a remodelação da consulta externa, intervenções incluídas num investimento total de 12,5 milhões de euros.

ÚLTIMAS

Álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano

O álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano, alertou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando que este número permanece “inaceitavelmente elevado”, apesar da descida ligeira que tem registado nos últimos anos.

MAIS LIDAS

OPINIÃO

Álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano

Álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano

O álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano, alertou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando que este número permanece “inaceitavelmente elevado”, apesar da descida ligeira que tem registado nos últimos anos.

Verified by MonsterInsights