Enfermeiros acusam ARS Norte de “mudar a meio do jogo” regras de concurso

12 de Abril 2024

 O Sindicato dos Enfermeiros acusou esta sexta-feira a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte de não manter o salário dos enfermeiros que concorreram a um concurso aberto em 2021, e cujos resultados saíram agora, tal como estava inicialmente previsto.

“A situação é muito estranha. Há a abertura de um concurso em 2021 e agora, em 2024, a ARS Norte vem alterar o aviso de abertura desse mesmo concurso dizendo que não mantém o índice remuneratório dos trabalhadores que concorrem a esse concurso, tal como estava inicialmente estipulado”, contou à Lusa o presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Pedro Costa.

O sindicalista explicou que esta alteração vem “defraudar todas as expectativas” de quem concorreu a esse concurso, que contempla 61 postos de trabalho em toda a região Norte, porque “como é evidente” ninguém quer baixar o seu salário atual.

Pedro Costa disse ser imoral que a ARS Norte diga a alguém com 20 anos de carreira que agora, por via de ter concorrido a este concurso para mudar de local de trabalho, vai ganhar o equivalente ao de entrada na carreira.

“Nós estamos aqui a vetar ou de alguma forma a restringir que pessoas com mais diferenciação, qualificações e competências técnicas não estejam dispostas a concorrer a este tipo de vagas”, frisou.

E acrescentou: “Muito dificilmente vamos ter recursos altamente diferenciados porque o nível remuneratório oferecido é o índice de entrada na carreira”.

No aviso de abertura do concurso para o preenchimento de 61 postos de trabalho da categoria de enfermeiro da carreira especial de enfermagem do mapa de pessoal da ARS Norte, datado de 15 de junho de 2021, é referido no ponto alusivo à remuneração a auferir que o valor é de 1.205 euros mensais líquidos, mas que “caso a posição e nível remuneratório já detidos pelo trabalhador sejam superiores aos mencionados serão estes mantidos em caso de seleção”.

Contudo, na segunda-feira, os candidatos receberam um email onde a ARS Norte esclarece que o valor a auferir pelo enfermeiros selecionados que aceitem o posto de trabalho será “a correspondente à primeira posição remuneratória da categoria de enfermeiro da carreira especial de enfermagem (nível 15 da Tabela Remuneratória Única) a que corresponde, atualmente, o valor de 1.333 euros, independentemente da posição que possa já ser detida pelo candidato”.

“Deste modo, e porque não pode um aviso de abertura sobrepor-se à lei, a parte final do ponto 7 do Aviso n.º 11078-B/2021, de 15 de junho, correspondendo a um lapso, será dada sem efeito”, acrescenta.

“Isto é claramente imoral, para nós não há mudanças a meio do jogo”, vincou Pedro Costa.

A sugestão do presidente do Sindicato dos Enfermeiros é que os enfermeiros aceitem a proposta, mas apenas se mantiverem o salário atual, como inicialmente estava estabelecido.

“Se isto não acontecer iremos agir judicialmente e impugnar este concurso, bloqueando um concurso que poderia resolver muitos problemas e que não vai resolver nada”, revelou.

A Lusa tentou ouvir a ARS Norte, mas sem sucesso.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

Fernando Araújo: Autorizações para contratar médicos “têm demorado menos que três dias úteis”

Na comissão parlamentar de Saúde, esta quarta-feira, Fernando Araújo apresentou os feitos da reforma do Serviço Nacional de Saúde e da equipa que liderou enquanto diretor executivo. A reforma “tem conseguido alterar esta burocracia, estes patamares administrativos, estes tempos que eram incomportáveis na gestão do SNS”, tendo decorrido com o envolvimento dos profissionais: “de baixo para cima”.

Fernando Araújo: “Não estive em nenhuma das reuniões do grupo de emergência”

O antigo diretor executivo, ouvido hoje na comissão parlamentar de Saúde, disse que a DE-SNS não teve conhecimento do plano estratégico do novo ministério. “Não é num tom de crítica, é apenas factual”, ressalvou. Para Fernando Araújo, não fazia sentido implementar medidas perante a vontade de “fazer algo diferente”.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights